Longas

House: A História V

Quinto capítulo da publicação periódica no Rimas e Batidas dos capítulos do livro “House – A História” assinado por Rui Miguel Abreu e editado em 2006.

Ler +

Brian Eno: estratega oblíquo

Parte importante da discografia solo de Brian Eno na década de 90 foi recentemente reeditada, pretexto mais do que suficiente para Rui Miguel Abreu investigar os caminhos do ex-Roxy Music na mesma década em que assinou a produção de Achtung Baby e Zooropa dos U2.

Ler +

Kanye West: o próximo presidente da América?

“Como já terão percebido por este momento, decidi candidatar-me à presidência em 2020”, disparou Kanye West nos MTV Video Music Awards. Dois meses antes do lançar da bomba, Rui Miguel Abreu escrevia na Blitz que a Yezzy “só falta mesmo ocupar a cadeira da sala oval da Casa Branca”. Esqueçamos SWISH por momentos: a conversa é agora política.

Ler +

O Festival Rimas e Batidas pela lente de João Tamura

13 chapas que capturam outros tantos rostos que passaram pela Sala 2 do Cinema S. Jorge.

Ler +

Festival Rimas e Batidas: o futuro do hip hop tuga passou pelo S. Jorge

A noite foi de hip hop no S. Jorge: Slow J conquistou o público; os ASTROs ProfJam e Mike El Nite trouxeram constelações trap e electrónicas; Beware Jack e Blasph estrearam O PROCESSO; Prodígio e plateia misturaram-se no palco.

Ler +

Festival Rimas e Batidas: escuridão sensorial

Envolvida num manto breu, a Sala 2 do S. Jorge foi palco de um apelo aos sentidos no segundo dia do evento com a rave a rasgar de Shcuro e Lake Haze, a electrónica mais ambiental de Old Manual e o desconcerto de beats e rimas com VULTO. + L-ALI

Ler +

Festival Rimas e Batidas: a noite em que o palco foi delas

Fábia Maia, Caroline Lethô, Blink e Sequin estiveram em palco no primeiro dia do Festival Rimas e Batidas no S. Jorge. Uma noite especial que também foi uma montra para os novos valores femininos da música nacional que se movimentam pelo hip hop, pela electrónica, pelos acústicos e pela pop.

Ler +

Branko: “Não consigo distanciar-me da ideia de querer complicar a vida das pessoas”

Atlas é o nome primeiro disco a sério de Branko. E é um trabalho sério que aqui está: cinco estúdios, cinco cidades, cinco pólos de cultura de música em três continentes e mais de 20 convidados a dar corpo ao álbum. João Barbosa é um produtor consistente nesta ideia de baralhar todas as premissas de conforto que podem estar associadas à tarefa de criar batidas. Foi em Lisboa, a sua eterna cidade que serve de amplificador para o resto do mundo, na discoteca Lux – considerada uma segunda casa deste agitador cultural – que nos sentámos à conversa com Branko.

Ler +

Um dia com os Tribruto em Vila Nova de Milfontes: o antes e o depois do espectáculo na discoteca Sudwest

Estão constantemente na palhaçada, não perdem uma oportunidade para mandar uma punchline e raramente levam as coisas a sério. Este é o primeiro retrato que tiramos quando ouvimos a música dos Tribruto ou quando nos cruzamos alguns minutos com eles na rua. Mas serão eles sempre assim? Manuel Rodrigues acompanhou o colectivo numa roadtrip até Vila Nova de Milfontes para tentar perceber isso.

Ler +

1º Festival Rimas e Batidas: um sonho à espera da realidade

A revista rimasebatidas.pt leva quatro meses e meio de existência. Temos sede de futuro. E queremos mesmo ver onde isto vai dar.

Ler +