7 Dias, 7 Vídeos

[TEXTO] Gonçalo Oliveira [FOTO] Direitos Reservados

Era digital, informação à velocidade da luz. Vídeos e músicas a soçobrar pelas plataformas virtuais. Novidades emaranhadas entre si, confusão sónica, sentidos desorientados. Quem nos guia? Por onde vamos? Para onde vamos?

7 Dias, 7 Vídeos é o resgate audiovisual semanal nos terrenos do hip hop e electrónica. Filtragem de qualidade, barreira contra a poeira que nos cega com tanto de novo, com tanto para espreitar e escutar.


[Griselda] Freestyle @ Fire In The Booth

O radialista Charlie Sloth, da Beats 1 Radio, abriu as portas do seu estúdio para que a turma da Griselda Records voltasse a causar novos estragos ao microfone. Benny The Butcher e Conway The Machine representaram a street label de Buffalo, Nova Iorque, numa sessão de versos em estilo livre em cima de uma batida cozinhada a meias por Daringer e Beat Butcha, os dois produtores afiliados do colectivo que em Novembro passado se estreou pela Shady Records com WWCD. No freestyle que levaram até ao Fire In The Booth, Benny re-desenhou a letra que assinou em 2018 para “Jackpot” e Conway deu continuação à corrosão e até disparou uma das suas rimas na direcção de 6ix9ine.


[Knucks] “Home”

É de Londres mas não é grime nem é drill. No Reddit, há quem o tente descrever como drill jazzy ou lo-fi. Podemos até chamar-lhe drill consciente mas, na verdade, “Home” é bem mais do que isso. À última faixa do seu EP de estreia pela Island Records, Knucks aborda a crescente taxa de homicídios com recurso a facas através de uma história que se foca numa disputa entre dois jovens nos subúrbios de Londres. Dividida em três versos, a problemática vai escalando ao final de cada refrão, acabando o confronto por gerar mais uma vítima mortal. “Home” é drill num raro caso de storytelling, revolução estética ao nível musical e uma grande lição de moral.


[JPEGMAFIA] “BALD!”

Bem-vindo a 2020, Peggy. O rapper e produtor que tem vindo a colocar Baltimore no mapa lançou o primeiro novo tema desde All My Heroes Are Cornballs, editado em Setembro do ano passado. “BALD!” inspira-se na calvície do próprio JPEGMAFIA, que explica o fenómeno como uma compensação natural para balançar com os dotes que detém nas áreas do MCing e da produção.


[X-Tense] “O Re$to” feat. Hype Myke

Nuno Barreiros está a fazer todos os possíveis para se destacar dos demais colegas de profissão. O seu regresso ao radar do hip hop tuga, em 2016, culminou na edição do álbum de estreia Rosa Dragão dois anos depois, tendo o rapper, produtor e líder da rood abraçado de seguida um projecto ainda mais ambicioso. X-Tense abraçou o universo de Narcos, deu-lhe um toque de paródia e fez do seu Pablo uma série de lançamentos que se descola de tudo aquilo que temos visto por cá. Depois da pausa para medir forças com o ex-colaborador Walez, em “Judas”, o artista da Pontinha volta a mostrar que argumentos não lhe faltam para continuar a gozar de um lugar de destaque na grande montra do rap nacional.


[Instinto 26] “Je m’en Fous”

Com a poeira em torno de Julinho KSD a assentar, os Instinto 26 apostam agora em toda a sua formação para delinear os contornos do seu EP de estreia. A fórmula já vem desde a génese do grupo mas o rapper e cantor do Casal de S. José agarrou o protagonismo em vários dos seus mais recentes singles. Depois de abrirem as contas referentes a 2020 com “Longe do Cubico”, uma reflexão do tempo que passaram em digressão, Julinho, Trista, Kibow e Yuran não estão nem aí para o que os rodeia neste “Je m’en Fous”, limitando-se a desfrutar do sucesso que atravessam.


[ORTEUM] “Indigesto” (prod. Romeu.Rocha)

Se continuam a sentir náuseas de ouvir tantos artistas a soarem igual e vos escasseia bom produto, próprio para consumo, talvez andem apenas à procura nos locais errados. Nero, Mass e Tilt voltam à carga em mais uma faixa pro-cultura, apontando o dedo às imitações baratas que pairam no mercado musical. “Indigesto” sucede a “Capitão Gaivota” nos avanços de Vapor, o EP que os ORTEUM preparam para atacar 2020.


[SosMula] “Soul Burn”

2019 não terminou sem que os City Morgue dessem continuação à aventura que tinham iniciado no ano anterior. CITY MORGUE VOL 2: AS GOOD AS DEAD sucedeu a CITY MORGUE VOL. 1: HELL OR HIGH WATER e trouxe-nos uma nova investida por parte da dupla nova-iorquina amante do hardcore. Agora retratado em vídeo, “Soul Burn” é um dos temas a solo de SosMula, que agarrou com os dentes a batida criada por Amertume e PLURBS e descreveu a sua vida de excessos de forma sombria.

Gonçalo Oliveira

Gonçalo Oliveira

Filho bastardo do jazz e da soul que encontrou no hip hop uma nova forma de abordar linguagens musicais perdidas no tempo. Não tem uma música favorita porque Jimi Hendrix e J Dilla nunca trabalharam juntos.
Gonçalo Oliveira