Tudo a postos para o NOS Summer Opening?

[FOTO] Direitos Reservados

Começa a contagem decrescente para o NOS Summer Opening. O festival madeirense não foge àquela que tem sido a tendência dos principais palcos de Verão e a caminho da Madeira, indo do continente, segue muito hip hop e electrónica para preencher a agenda cultural nos dias 20, 21 e 22 de Julho.

 



Não é só de música que se faz o NOS Summer Opening e a ilha da Madeira é, por si só, um argumento muito forte para todos aqueles que apreciam o melhor que a natureza oferece ao nosso país. O local escolhido para o certame é um óptimo ponto de partida para a exploração. Com uma área que abrange mais de três hectares da cidade do Funchal, o Parque de Santa Catarina tem um lago e diversas espécies de animais e vegetação, o que oferece aos seus visitantes uma experiência ímpar de comunhão entre arte e vida natural. Como complemento, o NOS Summer Opening tem disponíveis dois packs “4 Elementos“, com actividades ao ar livre para aproveitar as horas que antecedem os espectáculos, como passeios de teleférico, catamarã, canoa ou salto de parapente.

O festival madeirense arranca este mês com a sua sexta edição e tem habituado os insulares a presenciar os melhores talentos nacionais em palco. Este ano fica marcado por dois regressos: Richie Campbell já integrou o cartaz do NOS Summer Opening em 2014 e 2016 e Branko fez parte da comitiva dos Buraka Som Sistema que animou a ilha no Verão de 2015. Mundo Segundo & Sam The Kid, Orelha Negra, Dillaz, Carlão, Da Chick, Dengaz ou Jimmy P também já atravessaram parte do Atlântico para alinhar no festival.

 



Na edição de 2018, o hip hop e a electrónica estão mais vincados do que nunca nas escolhas musicais feitas pela organização do NOS Summer Opening, todas elas com fortes argumentos para que as suas actuações algo a não perder. Líder de uma nova geração de produtores à procura do exotismo na batida, Branko tem ditado a sua lei nas pistas de dança. Apesar de esta ser a sua terceira presença no festival, Richie Campbell em nada vai soar repetitivo. Lisboa, o seu regresso às mixtapes, serviu para dar uma volta de 180° à sua sonoridade. Slow J está ainda na ressaca de um aclamado disco de estreia. “Nunca Pares”, “Water”, “Alma Velha” ou Deepak Looper são alguns trabalhos de outros artistas que têm tido o cunho do rapper e produtor. Os números de Piruka continuam a impressionar na realidade portuguesa e, após AClara, o MC da Madorna têm editado alguns temas novos. Parece que foi ainda ontem que olhávamos para os Wet Bed Gang como uma das maiores potências do hip hop português. O quarteto de Vialonga é agora uma das mais valiosas jóias da música urbana em Portugal e ainda no passado domingo nos deram música nova. Mishlawi e DJ Dadda são dois dos protegidos de Richie Campbell na sua Bridgetown que vão demonstrando que têm fibra para pisar os grandes palcos.

Se ainda não compraram as vossas entradas, têm até ao dia 19 para usufruir de um desconto de bilheteira e os preços, consoante os dias, variam entre os 17 e 40 euros. Se não residem na Madeira e querem fazer parte da sexta edição do NOS Summer Opening mas falta-vos a paciência de organizar a excursão, a Inter Tours fez a papinha toda com três packs distintos com viagem, estadia e passe para os três dias de festival que variam entre os 304 e os 335 euros.

 


ReB Team

ReB Team

Facebook.com/rimasebatidas
Twitter: @rimasebatidas
Instagram: @rimasebatidas
SoundCloud.com/rimasebatidas
YouTube.com/c/rimasebatidas
Mixcloud.com/rimasebatidas
ReB Team