pub

Fotografia: Fábio Sequeira

Alexandre Pedro Martins foi um dos produtores de serviço no mais recente projecto de Slow J.

Rubik: “Se há um ano me dissessem que ia ter a oportunidade de fazer parte do You Are Forgiven, eu não ia acreditar”

Fotografia: Fábio Sequeira

Acredite-se no destino ou não, o mais provável é que, a certa altura, um qualquer acontecimento marcante tenha parecido engenhosamente preparado por alguém que sabe mais do que nós e que vê o quadro completo. Não vale a pena pensar muito nisso, sejamos honestos: obra de Deus, do Diabo ou do acaso, o importante é ir tentando tirar o melhor proveito da situação.

Quando Alexandre Pedro Martins se inscreveu no Curso de Produção e Criação de Hip Hop da ETIC, foi exactamente atrás dessa oportunidade, mesmo sem saber que terminaria, por intermédio do professor Fumaxa, nos créditos de You Are Forgiven, o badalado segundo longa-duração de Slow J. Rubik aparece creditado em “Também Sonhar” (podem ouvi-lo a falar sobre a sua contribuição neste vídeo) e “Só Queria Sorrir”, que, curiosamente, são os dois temas mais ouvidos do novo disco de João Batista Coelho, se olharmos para os números do YouTube e do Spotify. Com um placement deste calibre e o trabalho contínuo com Migz e Fumaxa, o futuro do produtor de 20 anos estará certamente assegurado. Para saberem um pouco mais sobre Rubik, continuem a fazer scroll para baixo.

[O início e a música enquanto profissão] “A música foi algo que sempre esteve presente na minha vida. Desde novo que é uma paixão que tenho e sempre foi a arte que mais mexeu com as minhas emoções. Lembro-me perfeitamente de quando me ofereceram o meu primeiro piano (teclado). Não me lembro que idade tinha, mas passava horas agarrado àquilo. Foi nesse piano que realmente tive o meu primeiro contacto com produção musical porque podia gravar as minhas próprias músicas e, sendo um teclado, tinha acesso a mais de 400 instrumentos. Mas só no Verão de 2017, antes de me mudar para Lisboa para estudar Design Gráfico, é que descobri o Fruity Loops e fiquei logo agarrado porque percebi que conseguia fazer música sem mais nada a não ser o meu computador. Foi como se me tivessem voltado a oferecer aquele piano, só que desta vez mais complicado e complexo. Então quando cheguei à capital, como não conhecia ninguém e só tinha aulas três vezes por semana, fiquei com imenso tempo livre e passei o ano inteiro enfiado em casa a fazer beats. Só saía para ir à escola. Por isso no final do ano decidi que queria fazer uma pausa do Design e tentar seguir música profissionalmente.” [Influências] Isto é uma questão que tenho sempre problema a responder. São muitos os nomes. Mas para mim a pessoa que mais me influenciou foi o cantor, compositor e produtor americano Jon Bellion. Já há alguns anos que sigo a fundo o trabalho dele e que acompanho a série de making of dos álbuns no YouTube. Posso dizer que é uma das minhas maiores inspirações. A maneira como ele sente e vive a música é contagiante. [O nome artístico] “Sempre houve quebra-cabeças em minha casa. Lembro-me de ir montes de vezes com os meus pais à loja O Papagaio Sem Penas e normalmente saíamos de lá sempre com um puzzle novo. Então foi uma coisa que me despertou interesse logo desde pequeno. Quando tinha 11 anos a minha mãe ensinou-me a fazer o cubo mágico (rubik’s cube) e muito rapidamente tornou-se o meu ‘brinquedo’ favorito, ao ponto de nunca mais o ter largado. Ainda hoje anda comigo para trás e para a frente. Toda a gente que me conhece sabe que o tenho sempre dentro da mochila. Então quando chegou a altura de escolher um nome para mim neste mundo da música, querendo algo curto que não tivesse nada a ver com o meu nome próprio, mas que ao mesmo tempo me identificasse, acho que fez todo o sentido ter seguido com Rubik.” [Entrar no curso de Produção e Criação de Hip Hop na ETIC] “Na altura, quando decidi que queria tentar seguir música profissionalmente, claro que ainda tinha bastante para aprender, mas acima disso precisava de contactos. Como já frequentava a ETIC, rapidamente soube da existência do curso de Produção e Criação de Hip Hop, no que se baseava e quem eram as pessoas que iam dar as aulas, que para mim era o mais importante, pois tinha a oportunidade de mostrar o meu trabalho a pessoas que já estavam dentro do mundo da música.” [O balanço final da experiência] “Acho que foi uma das melhores decisões que tomei. Se não me tivesse inscrito no curso no ano passado, não sei se alguma vez o teria feito. E provavelmente nunca, ou não tão cedo, me teria cruzado com o Fumaxa e o Migz, nem ter tido a oportunidade de conhecer todas as pessoas que já conheci neste mundo da música, quanto mais ter trabalhado com quem já trabalhei.” [O interesse de Fumaxa nas suas produções] “Fiquei surpreendido e entusiasmado: até àquele momento as únicas pessoas que tinham ouvido o meu trabalho eram os meus amigos mais próximos. Por isso, ter o Fumaxa e o Migz, dois dos melhores produtores que este país tem, na minha opinião, mostrarem interesse no meu trabalho foi importante para mim e fez com que quisesse fazer isto ainda mais. Agradeço a ambos todo o apoio e ajuda que me deram e continuam a dar.” [Estar ao lado de nomes como Lhast, Fumaxa, Holly, DJ Ride, Richie Campbell, Charlie Beats e Slow J nos créditos de produção de You Are Forgiven] “Já há algum tempo que tinha como objectivo trabalhar com estes nomes. Não estive com toda a gente envolvida na produção do álbum, mas estive com praticamente todos. Se há um ano me dissessem que ia ter a oportunidade de fazer parte deste projecto, eu não ia acreditar. Foi uma experiência que significou bastante para mim. Adorei ter trabalhado e partilhado ideias com pessoas que admiro e que me inspiram constantemente, mas, acima disso, adorei tudo o que aprendi com todos eles e a maneira como fui recebido na Sente Isto. Uma equipa de pessoas cinco estrelas que me ajudaram tanto dentro como fora da música.” [O futuro] “Vão começar a surgir mais trabalhos com a minha participação. Neste momento estou a trabalhar no álbum do Skitto, que é um artista que vai aparecer em breve. Está a ser todo produzido por mim e pelo Migz, com a participação do Fumaxa em algumas faixas. Ainda está em desenvolvimento, mas em breve estará cá fora. De resto, tenho trabalho com mais alguns artistas, mas nada em concreto para anunciar.”

pub

Últimos da categoria: Entrevistas

RBTV

Últimos artigos