Holly: “Quis fazer um set só com sons que ainda não saíram”

[TEXTO] Alexandre Ribeiro [FOTO] Direitos Reservados

Holly foi um dos convidados do mais recente episódio de Diplo & Friends, programa do DJ e produtor norte-americano na BBC Radio 1. “Eu conheci o Diplo no Goldie Awards, ficámos em contacto e ele convidou-me para fazer esta mix“, revelou o artista das Caldas da Rainha em conversa com o Rimas e Batidas.

Permanentemente inconformado e sempre à procura de novos desafios, Miguel Oliveira não quis entregar uma mix “comum”. “Eu queria aproveitar que estava a fazer uma mix destas para criar algo diferente. Por vezes, quando estou a tocar ou a ouvir mixes, fico um bocado tipo, ‘nós DJs/sound selectas/whatever tocamos todos o mesmo’. Então quis fazer um set só com sons que ainda não saíram. Acabei por usar para ai 20% de faixas que já saíram só para me facilitar as transições… E são só quase sons de rap que eu ando a ouvir.”

 



No meio de remisturas de canções de 21 Savage, Post Malone, Lil Pump ou Logic encontramos uma série de inéditos que só demonstram o alcance actual de Holly, conjugando faixas de OG Maco, Daedelus, um remix de Moullinex para David Fonseca (“ele deu-me o remix do David Fonseca que não saiu”) e um poema de Slow J. “Falei com o Slow J sobre tocar o que é fado para mim no passado e no futuro e o Slow deu-me esse poema. O Slow é o meu fado do futuro, Amália [que também empresta um tema à mix] é o meu fado do passado (que também faz parte do futuro)”.

Depois de brilhar ao mais alto nível no ano passado, Holly não baixa a fasquia para 2018: mudou-se temporariamente para os Estados Unidos da América, editou um EP pela Alpha Pup Records e lançou o primeiro single do trabalho colaborativo com Landim.