David Bruno: solos de guitarra à Bon Jovi, amor não correspondido e Madlib & Toy

[TEXTO] Alexandre Ribeiro [FOTO E ARTWORK] Maria Leonor Figueiredo 

David Bruno, mais conhecido como dB, vai lançar o seu novo álbum no dia 12 de Janeiro pela editora 1980. O Último Tango em Mafamude é, segundo o próprio, um trabalho em que “baladas românticas, o sampling de áudio e o sampling de vídeo se conjugam numa harmoniosa ode saudosista aos amores desencontrados”.

No profundo e poético press release que anunciou o lançamento do novo projecto, a descrição da sonoridade do conjunto de 11 faixas não poderia ser mais adequada: “Imagine o/a caro(a) Leitor(a) que Eça de Queiroz nascia no século XX e que por circunstâncias da vida trocava a pena de aparo ágil e o papel macio por um sampler. Imagine agora que as trocava as frases por pistas áudio, construindo os seus romances com samples. Imagine agora que um desses romances é uma clássica história de um amor não correspondido, e que a amada ‘não correspondente’ não é uma mulher, mas sim uma cidade. Imagine, para terminar, que essa cidade é Vila Nova de Gaia e que o poeta sofredor é David Bruno.”

 



Com conceitos pensados ao mais ínfimo pormenor, O Último Tango em Mafamude não será diferente e a edição física contará com um pack composto por uma capa de um 7″, um CD e, admire-se, 2 bases para copos, “que é para as pessoas comprarem o álbum, meterem no seu leitor de CDs e desfrutarem do álbum tomando uma bebida com uma pessoa à sua escolha”, contou dB em No carro, rubrica conduzida por João Pinheiro no seu canal de YouTube. E acrescentou: “Vamos fazer um álbum e vamos só samplar coisas foleiras. Vamos tentar fazer um meio-termo entre Madlib e Toy”. Marco Duarte, o responsável pelos “solos de guitarra à Bon Jovi”, e Pedro Ricardo, músico que assina como Hai, ficaram encarregues dos arranjos de cordas e teclas do disco.

Ainda à boleia de No carro, o produtor de Vila Nova de Gaia revelou que “Corona tem o próximo álbum pronto”. E também desvendou os nomes de dois convidados: PZ e Fred (800 Gondomar). O conceito do sucessor de Cimo de Vilva Velvet Cantina também foi descortinado: depois das peripécias nos primeiros três longa-durações, Corona, o protagonista, “decide recomeçar, desta vez no mundo da religião, e forma o seu próprio culto. O homem vai dedicar-se à religião, criando a sua própria religião.”

Para aqueles que estão ansiosos por ouvir algo de O Último Tango em Mafamude, “Mesa para dois no Carpa” (faixa 6) e “Rapsódia Gentil” (faixa 7) já foram disponibilizadas numa passagem de Nave Mãe e Tugalife pela londrina Radar Radio.

 


cover-por-maria-leonor-figueiredo-1500x500