7 Dias, 7 Vídeos

[TEXTO] Gonçalo Oliveira [FOTO] Direitos Reservados

Era digital, informação à velocidade da luz. Vídeos e músicas a soçobrar pelas plataformas virtuais. Novidades emaranhadas entre si, confusão sónica, sentidos desorientados. Quem nos guia? Por onde vamos? Para onde vamos?

7 Dias, 7 Vídeos é o resgate audiovisual semanal nos terrenos do hip hop e electrónica. Filtragem de qualidade, barreira contra a poeira que nos cega com tanto de novo, com tanto para espreitar e escutar.

 


[Eminem] “Fall

A missão suicida de Eminem tem estado na ordem do dia e as opiniões dividem-se entre a comunidade do hip hop. Se por um lado muita gente considera escusado o ataque de Marshall Mathers aos seus colegas de profissão, também há quem defenda o propósito daquele que é o mais bem-sucedido rapper do mundo.

No entanto, as reacções são interessantes, se compararmos o momento actual do astro de Detroit àquilo que nos fez apaixonar pela sua música pelas primeiras vezes. Muitos dos que apontaram o dedo a Recovery ou Revival continuam insatisfeitos com Kamikaze e usam agora como motivo os golpes que Eminem está a desferir aos artistas da nova geração. São também esses mesmos pares de ouvidos que nunca ousaram levantar questões morais quando os alvos eram “vedetas ultrapassadas” como Michael Jackson, Moby, Fred Durst ou Britney Spears.

Goste-se ou não, Kamikaze traz um dado inegável para o debate: Eminem ainda consegue replicar o tipo de rap pelo qual nos apaixonámos no início da sua carreira e adaptá-lo a uma sonoridade actual.

 


[X-Tense] “#PIXAGRANDE” feat. SP Deville

X-Tense e SP Deville têm agora um tema em conjunto mas há muito que partilham uma história comum: ambos têm estado presentes no circuito do hip hop nacional desde a década passada, em Deck-Arte e SP & Wilson, respectivamente, e procuram nestes últimos anos um lugar ao sol enquanto artistas a solo. Como quem é mais “fresco” costuma ser prioridade nos fones dos ouvintes, vêm-se agora “tapados” por uma legião de newcomers — menos talentosos na sua maioria — que tem invadido o hip hop à procura do “El Dorado”, agora que é cada vez mais credível fazer carreira de um género marginalizado durante anos e anos. X-Tense e SP Deville são a prova de que o rap com skill é genético, não se aprende. Ter a “#PIXAGRANDE” não é para qualquer um.

 


[Dirty Dike] “Permanent Midnight” (Prod. Chemo) feat. Jam Baxter

Já tínhamos saudades de Dirty Dike, um dos mais emblemáticos MCs e produtores no circuito independente do Reino Unido na actualidade, afastado das edições em nome próprio desde 2015. A pausa parece ter-lhe feito bem, ele quem em “Permanent Midnight” descola completamente do seu tradicional registo boom bap e salta o paranóico universo de Chemo, numa das mais interessantes inscrições nas páginas do grime vanguardista.

 


[38 Spesh] “Shame”

Apesar da organização do Festival Iminente não ter avançado com a informação, parece que 38 Spesh se vai estrear ao vivo em Portugal, ele que tem acompanhado Kool G Rap na digressão para a apresentação de Son Of G Rap, o álbum criado em parceria pelos dois MCs, e já colocou a presença em Lisboa na sua lista de concertos futuros. “Shame” é um dos temas a solo de 38 Spesh nesse disco colaborativo, que contou com a ajuda de várias lendas como DJ Premier, AZ, The Alchemist, Pete Rock ou Freddie Gibbs.

 


[Ocean Wisdom] “Tom & Jerry” (Prod. Leaf Dog)

Apesar de o último disco de Ocean Wisdom não ter correspondido às expectativas, há nele um agradável número de bons temas que podemos extrair para dar algumas escutas adicionais. “Tom & Jerry” é um desses exemplos, muito graças ao embalo auferido da produção deliciosa de Leaf Dog, à qual o autor de Wizville não deixou escapar a oportunidade de mostrar um bom serviço.

 


[Tommy Genesis] “100 Bad”

O sucessor de World Vision está a demorar a chegar mas Tommy Genesis tem-se mantido debaixo do nosso radar graças aos temas soltos que pontualmente vai soltando para a “nuvem”. “100 Bad” é o mais recente a entrar para o seu catálogo, um ano após a canadiana ter assinado pela Downtown Records — uma subsidiária da Interscope Records —, e até já tem uma remistura de Charli XCX. Na versão original do tema, que acompanha este videoclipe, é Charlie Heat — produtor da G.O.O.D. Music já nomeado para os GRAMMYs — quem assina o instrumental.

 


[Tobe Nwigwe] “EWU II.” feat. DULO.

Tobe Nwigwe continua a impressionar com os singles da sua #getTWISTEDsundays: rap que não atira poeira para os olhos e que merece emergir na maré de “vazio” que inunda os algoritmos que nos sugerem o que ver/ouvir a seguir. Imparável, Tobe conta com um LP editado em 2018 e e mais de duas dezenas de temas soltos entre o YouTube e o SoundCloud.

Gonçalo Oliveira

Gonçalo Oliveira

Filho bastardo do jazz e da soul que encontrou no hip hop uma nova forma de abordar linguagens musicais perdidas no tempo. Não tem uma música favorita porque Jimi Hendrix e J Dilla nunca trabalharam juntos.
Gonçalo Oliveira