THUNDERCAT // The Beyond / Where The Giants Roam

thundercat_the_beyond_where_the_giants_roam_review

A Brainfeeder sempre se destacou das outras editoras pelos nomes que apresenta – artistas capazes de incorporar o jazz clássico no mundo da electrónica, sem que este perca a essência que lhe é inerente. Aquilo que vos apresento – aliás, aconselho – é o último trabalho de um dos seus descendentes, Thundercat, que acaba de lançar The Beyond / Where The Giants Roam, primeiro EP do currículo que, além de outros dois álbuns, já conta com múltiplas colaborações, entre elas a participação no infalível To Pimp a Butterfly de Lamar (“Wesley’s Theory” está na minha lista de melhores produções do ano) e o acutilante You’re Dead de Flying Lotus, o seu aliado na jornada no mundo da electrónica.

Este EP, escutável num quarto de hora, estabelece aquilo que podiam – e deviam – ser os padrões do mundo artístico: a estética deve sobrepôr-se à dimensão. E com isto quero dizer que Thundercat sabe aquilo que quer, não dispensa mais tempo a tentar complementar uma obra que já transborda em conteúdo. Além do jazz, temos hip hop, temos soul e ainda sobra um pouco de funk. The Beyond… viaja entre pólos antagónicos sem nos apercebermos disso numa primeira escuta. É notável como, em apenas seis faixas, existe espaço para tanto estilo – desde o toque inquietante de Mono/Poly, passando pelo saxofone imaculado de Kamasi Washingston (também eles da família Brainfeeder), e acabando no piano tácito de Herbie Hancock.


 


Comparem-se instrumental e lírica. Ao passo que a escrita de Thundercat invoca lamentos desnorteados e até a morte (i.e. Hard Times e Song for the Dead) a sonoridade orgânica das faixas atribui-lhes outra conotação, algo direcionado para eufemismos que escondem o teor da mensagem. Da teoria à prática, escute-se a bateria de Them Changes que recupera os primeiros instantes do clássico Won’t Do the J Dilla; mais, ouça-se também os acordãos inquietos de Lone Wolf and Cub que trazem à memória o enigmático Cosmogramma de Flying Lotus.

The Beyond… consegue destacar-se da essência primária que compõem o estatuto musical da Brainfeeder. Ao passo que nomes como Flying Lotus, Mono/Poly e Daedelus propoêm desconforto na mente, Thundercat sugere um estilo mais calmo e, sobretudo, mais consciente. The Beyond / Where The Giants Roam é uma curta-metragem apegada ao seu título – uma peça que vai um pouco mais além na procura justificada de um lugar no mesmo mundo por onde passeiam os gigantes da música electrónica.

 

Sidónio Teixeira

Sidónio Teixeira

Fã incondicional do mundo artístico. Acredita que a Arte, seja ela qual for, é um mundo de universos paralelos que se cruzam. Tem especial admiração pelas ideologias e conceitos asiáticos, mais especificamente os nipónicos. Estudou literatura e jornalismo na Nova de Lisboa.
Sidónio Teixeira