mema.: “Há sempre qualquer coisa que me atrai novamente para Portugal e para a música”

[TEXTO] Vera Brito [FOTO] Direitos Reservados

Sofia Marques, ou mema., lançou este mês uma música que poderá bem traduzir o estado de espírito com que muitos de nós atravessamos estes dias de incerteza: “Perdi O Norte” é um labirinto tenso no qual nos perdemos por entre caminhos e veredas sombrias, mas é também uma fonte de força e resiliência, que nos reforça essa certeza interior de que no final iremos ficar todos bem.

Nascida e criada em terras de sal, Aveiro, os anos que viveu no estrangeiro, entre Berlim e Dublin, acabariam por trazê-la de volta às raízes e à música. Armada de uma bagagem tanto clássica quanto electrónica, a artista foi em busca do tradicional e desse Portugal mais esquecido. Falámos de tudo isto e de muito mais, numa agradável conversa por videochamada, por vezes interrompida por alguns soluços de uma ligação de Internet instável, que nos ajudou a combater este isolamento social e a perceber coisas boas que este ano tem para nós reservado: Cidade de Sal, o seu EP estreia, com data de lançamento anunciada para Outubro.



Olá, Sofia! Tudo bem?

Olá! Prazer! Posso tratar-te por tu?

Claro que sim, estava também a contar com isso. Obrigada por acederes a este nosso convite para uma conversa por videochamada, acho que por estes dias já nos vamos todos habituando um pouco a isto…

É verdade.

Já pude ouvir o teu novo single, ”Perdi O Norte” e vou ser honesta: não conhecia o teu trabalho. Sei que lançaste um outro single, “O Devedor”, no final do ano passado e que já deste até alguns concertos e começava por aí: para quem, como eu, não te conhece como é que descreverias este teu projecto mema.?

O projecto, ou o nome mema., e a forma como eu recomecei a fazer música começou por uma quebra. Eu sempre fiz música desde pequena e houve uma altura em que parei porque me chateei e por outras questões pessoais. Entretanto estive um tempo fora, cerca de três anos e meio, e quando se está fora começa-se a valorizar aquilo que se tem cá dentro. No meu caso comecei a valorizar muito mais as coisas que tinha em Portugal, desde família, a nossa cultura muito própria e até os beijinhos e abraços que estamos habituados a dar uns aos outros, tudo isto fez-me muita falta. E foi a partir daí, mais ou menos há cerca de dois anos, que me deu o clique e que as coisas começaram outra vez a funcionar para mim a nível criativo.

Por essa altura estava a crescer aquele movimento da música electrónica aliada ao tradicional, comecei a ouvir coisas como Rosalía e também outros artistas que estavam a surgir no panorama da música nacional e tudo isso começou a influenciar-me. Eu já tinha uma grande curiosidade pela música tradicional portuguesa e comecei a escavar e a procurar muito mais. Vi no YouTube dezenas de vídeos de folclore, desde o minhoto ao das Beiras, cante alentejano, entre muitas outras coisas, e como sou de Aveiro, região centro, fui procurar os instrumentos típicos daqui. E foi este rebuscar das origens que originou o projecto mema., que começou a tomar forma estava eu ainda na Irlanda. Antes estive por Berlim, mas foi em Dublin que comecei novamente a focar-me mais na minha música (desculpa se estou aqui a divagar…)

Não tem problema mas é engraçado que já estás a responder um pouco a algumas perguntas que tinha aqui preparadas para ti.

Desculpa! Quando começo a falar ninguém me cala. [Risos]

Estás à vontade.

Mas é isso, foi em Dublin que comecei a escrever e os primeiros temas foram exactamente “O Devedor” e o “Perdi O Norte”. Não me recordo ao certo qual veio primeiro mas surgiram quase em simultâneo e depois, no ano passado, continuei a produzi-los e foi dessa forma que este projecto teve início. Regressei a Portugal e decidi dedicar-me a cem por cento à música para lançar estes trabalhos. Acabou por ser “O Devedor” o primeiro a sair, porque na altura fazia sentido para mim, quer pela temática, quer pela própria estética musical com que eu me queria apresentar ao público. E foi assim que tudo isto começou, de uma forma não muito sucinta… [Risos]

Realmente falaste da Rosalía e quando ouvi este teu trabalho pus-me também a pensar noutros nomes que temos por aqui a fazer esta fusão entre moderno e tradicional e não são assim tantos os que me vêm à cabeça. Os mais imediatos são, por exemplo, os Diabo na Cruz com o seu roque popular, numa esfera bem diferente, mas talvez até uns dos pioneiros. Lembro-me também, no ano passado, do belíssimo disco do Stereossauro, Bairro da Ponte, que desconstruiu o fado de uma maneira que parecia ser impossível, ou até o mais recente fenómeno Chico da Tina, a trapstar do Minho. Isto para referir apenas alguns exemplos, todos eles muito diferentes entre si, mas muito ricos e originais e parece-me que, no geral, a música portuguesa tem sido demasiado omissa em relação ao seu passado e às suas raízes que afinal, como se vê por estes projectos, e outros, parece ter ainda tanto para nos dar. Não sei se partilhas desta opinião e se achas que há lugar para o tradicional no futuro? E se é algo que também pretendes construir com este teu projecto?

Sim, eu acho que a busca pela identidade artística é uma coisa sempre contínua e nós estamos sempre a reinventarmos-nos um pouco. Eu tenciono manter essa vertente do tradicional na minha música, não necessariamente utilizando instrumentos específicos, mas por exemplo em melodias ou até em alusões nas próprias letras. Porque olho para esses exemplos que deste, e que são óptimos, mas existem outros também recentes na memória, como o Conan Osiris ou o Pedro Mafama, que fazem isso muito bem — ambos têm ali um toque de tradicional, tu não sabes exactamente onde, mas está lá aquela essência, umas vezes mais notória, outras menos, mas está lá e eles fazem muito bem esse embrulho e essa fusão entre o tradicional e moderno. E acho que é algo que quero manter também, por vários aspectos: primeiro porque faz parte da minha identidade cultural e segundo porque é um desafio — as melodias tradicionais acabam por parecer todas muito semelhantes, com padrões rítmicos muito semelhantes, ou pelo menos é assim que nos parecem à primeira vista, mas depois quando começas a explorar e a entrar nos diferentes estilos percebes que afinal não é bem assim.

E uma coisa que eu queria também dizer é que quero ir pelo lado do tradicional mas não quero propriamente estar a batalhar no fado. Nestes meus dois temas a única razão pela qual poderá talvez existir um bocadinho de fado é pela guitarra portuguesa ali misturada que, na verdade, eu não queria usar [risos], queria antes ter usado guitarra beiroa, mas não encontrei quem tocasse. E queria evitar ir pelo fado porque acho que é um estilo tradicional que já tem muito destaque e muita gente a representá-lo bem. Quero antes procurar aqueles pequenos estilos do folclore, como o folclore minhoto ou daqui das Beiras, ou ir buscar coisinhas ao cante alentejano e misturar com electrónica, porque Portugal é muito rico em estilos musicais, nós é que ainda não os desbravamos completamente.

Basta ver o trabalho d’A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria.

Sim. É incrível esse projecto!

E é um arquivo enorme, uma recolha que ainda bem que alguém a está a fazer porque senão acredito que imensas coisas se iriam perder para sempre…

Completamente! E é muito giro ver e as histórias que as pessoas contam sempre aliadas à música, porque a música é muito isso: contar histórias.

Tu tiveste uma formação, pelo que percebi, mais clássica no conservatório, mas também fizeste parte de outro tipo de projectos, como em Berlim, onde te juntaste a um colectivo de produtores de música electrónica, os Strength in Numbers, duas realidades que acredito serem bastante diferentes. E agora também te dedicas a explorar a música tradicional portuguesa. Como é que todas estas experiências se conjugam?

É uma boa pergunta… Eu acho que vem tudo de forma muito natural, porque foram tantos anos imersa nesses ambientes que agora tudo se conjuga de uma maneira espontânea. De facto estudei no conservatório guitarra clássica que, curiosamente, não é algo muito notório na minha música (acho eu), pelo menos não costumo tocar guitarra dessa forma neste momento. Mas sim, o clássico teve grande influência em mim, mesmo pelo que ouvia no conservatório, nas muitas audições e concertos em que participei, como espectadora e como parte activa dos grupos. E sempre ouvi música clássica mas nunca fui muito de ouvir intensamente, por assim dizer. Sempre gostei mais de fusões e isto pode parecer descabido olhando para mim, mas eu ouvia muito metal sinfónico. [Risos] Sempre gostei de fusões, mesmo noutros géneros, e ouvi durante tantos anos metal sinfónico, que a orquestração entrou-me sempre por aí adentro, assim como as próprias melodias mais melancólicas (sempre tive esse lado melancólico).

Ao mesmo tempo também ouvia bastante electrónica, Depeche Mode, Fever Ray, entre outras coisas, mas acho que foi só em Berlim que comecei a explorar mais a produção musical nessa área e não foi uma coisa propositada, aconteceu também de forma natural. Antes tinha outro projecto musical, em que actuava a solo com outro nome, e quando fui para Berlim quis quebrar com esse projecto, precisava mesmo de parar com tudo, e lá senti necessidade de me juntar e de estar com pessoas da área musical que me compreendessem também e com quem pudesse trocar ideias, e encontrei naquele site, o Meetup, um meetup de um colectivo de produtores e decidi experimentar. Reuníamos-nos todos os sábados e tínhamos desafios semanais, por exemplo: fazer um beat de um minuto com uma série de restrições específicas — e isso estimula muito a tua criatividade e a forma como fazes música. Acho que todas essas experiências acabaram por culminar nisto que eu estou a fazer agora, que é: meter os ingredientes todos numa batedeira e depois sai aquela coisa quase naturalmente. [Risos]

Agora que já percebi o teu background, tenho sempre curiosidade em perceber o processo de composição, que acaba por ser sempre diferente de músico para músico. Como é que abordas a composição? Vem primeiro a letra? Os beats?

Isso depende muito de dia para dia, mas a maior parte das vezes começo pelo beat. Sinto-me mais confortável neste momento em começar por aí, com uma progressão de acordes, por exemplo, ver como é que soa e depois pôr propriamente o ritmo por cima, vendo o que é que necessita — é tudo um bocado espontâneo. Tenho também a disciplina de todos os dias me sentar à frente do programa que uso, do piano ou da guitarra e tentar fazer alguma coisa para ir mantendo activa a criatividade. Mas é muito por aí, começo pelo beat, vou construindo o instrumental e só depois é que costumo pôr a letra. Vou cantarolando melodias e a letra surge quase ao mesmo tempo, mas na verdade é parte em que tenho mais dificuldade e que preciso de ruminar mais. 

Mas sentes então falta de adicionar voz ou imaginas-te também a fazer só instrumental?

Eu canto desde muito cedo e mesmo a minha formação clássica foi em guitarra e canto, e sinto sempre necessidade de cantar porque sinto necessidade de dizer coisas. Acho que sou uma pessoa comunicativa, preciso de extravasar [Risos] e sim, sinto essa necessidade. Não digo que não farei uma ou outra vez algo só instrumental, mas neste momento sinto necessidade de colocar voz. Mas depende também muito do rumo que a música está a tomar. Tenho alguns temas do EP que aí vem que quase que não têm voz, coloquei porque fez sentido, mas na verdade nem têm uma letra muito coerente. [Risos]

Já falaste um pouco de teres um lado mais melancólico e de facto, ao ouvir este “Perdi O Norte”, senti essa melancolia mas ao mesmo tempo achei também que era uma música muito forte, melodramática até, diria, com uma alma muito portuguesa. Não sei se sentes essa identidade também?

É muito a minha identidade sim, eu sou uma pessoa muito melodramática, de facto. [Risos] Mesmo a música que oiço é toda por aí — aqueles artistas nórdicos: Lykke Li, Björk, que têm sempre aquele melodrama, em que é sempre tudo muito intenso. Mas é muito a minha identidade, sim. Não há muito a dizer aí. 

E também achei muito poderoso o vídeo que acompanha este single. Diria até que ninguém deveria ouvir esta música pela primeira vez sem o ver, porque acho que ganha toda uma outra dimensão. Parece-me que é coisa para ter dado imenso trabalho. Como é que foi esse processo? Queres explorar também este lado visual e tens uma ideia da estética que queres para este projecto?

Sim, tenho mais ou menos. A ideia que sempre tive para o projecto foi fazer algo muito cinematográfico. Mesmo no primeiro single [“O Devedor”], a intenção foi essa embora o resultado talvez tenha ido por outro caminho, por vários factores, mas a ideia para o projecto e para acompanhar as músicas é toda muito cinematográfica, porque cada tema é pesado, com um significado muito profundo e tem que transmitir algo, daí o cinematográfico, não é só a estética, é também a história.

E neste videoclipe de “Perdi O Norte”, por questões de trabalho não consegui trabalhar com o realizador do vídeo anterior, entretanto um amigo meu colocou-me em contacto com um realizador de Viseu, o Gonçalo Loureiro, e fomos falando a partir daí. No primeiro encontro com o Gonçalo expliquei-lhe mais ou menos o meu conceito e ele imediatamente ,“ah estou a ter aqui montes de ideias, vou já para casa começar! ” [Risos] Ele é desse tipo de pessoas incríveis e juntou uma equipa em que todos são muito criativos — dão pelo nome de Illicit Epiphany [Films] — e fomos trabalhando o conceito juntos. Eu tinha uma ideia e eles levaram-na a outro patamar. E foi muito intenso gravar este videoclipe, foram três dias de gravações em diversos locais e desde o início que a ideia era ter a timeline toda recortada, ao ritmo da música que é meio acelerada e tu vês que as imagens estão sempre a trocar, para pôr ali um bocado tensão, com momentos em que de repente relaxa um pouco. Houve um dia em que começámos às seis da manhã no mar, isto em Fevereiro (estava um bocado de frio [risos]) e ficámos a gravar até às nove da noite, depois gravámos na floresta e também aquela cena de boiar na água… foi tudo muito intenso, mesmo fisicamente, mas emocionalmente também, foi tudo muito forte. Mas eles são uma equipa incrível e eu estava com receio pela parte de acting, porque não me considero propriamente fotogénica, mas eles puxaram por mim de tal forma que conseguimos criar aquela intensidade e sentimento da própria música, de estares num lugar escuro, de quase perdição, em que estás num momento obscuro da tua vida, com toda essa tensão. Há pouco tempo alguém me disse: “o vídeo está muito bonito mas há ali qualquer coisa que me perturba…” e eu “era mesmo isso!” [risos]

Já tens o teu EP pronto, que irá sair no final deste ano, lançaste o teu outro single no final do ano passado e agora este “Perdi O Norte”. Parece-me que estás a fazer tudo com muita calma. É intencional ou por ti já tinhas o teu EP cá fora?

Eu já faço música há algum tempo e já tive projectos que tentei lançar, e acho que essa experiência tornou-me mais paciente. E sim, já tenho as coisas prontas há sensivelmente há quase um ano, mas isto de fazer vídeos e preparar bem a forma como vamos partilhar os temas com as pessoas dá muito trabalho e requer muito tempo. Por isso aprendi a ser paciente e acho que as coisas estão a ir nos timings certos, porque também não me interessa nesta fase, em que estou a começar a construir público e carreira, lançar as coisas para ninguém ouvir. Porque com este projecto eu escrevi muito para mim e pelo que estava a sentir, mas é também para outros ouvirem, porque acho que a música é muito isso — é uma partilha. E sim, é propositado lançar desta forma, prefiro fazer as coisas com calma mas fazê-las o melhor possível, do que estar a lançar provas. E mesmo em relação ao EP, é preferível ir mostrando um bocadinho do que eu sou antes de mostrar essa peça “final”, desta etapa, pelo menos.

E provavelmente agora, com tudo o que está a acontecer, o timing também não será o melhor. Queria também perceber a tua opinião em relação a tudo isto, sabemos que 2020 vai ser um ano ingrato para muita gente, mas acho que em especial para a comunidade artística e todos os envolvidos, que já numa realidade “normal” vivem muitas vezes no fio da navalha e contam com o seu público para gerar rendimentos. E agora com este isolamento forçado, que ainda não sabemos quando terá final à vista, não parecem existir muitas alternativas para colmatar tudo o que está a acontecer, os cancelamentos de festivais, concertos, etc. Tu, pessoalmente, como é que estás a encarar toda esta situação?

É assim… de início foi um bocado assustador, não é? E acho que continua a ser até vermos a luz ao fundo do túnel. Tudo isto cria um bocado de ansiedade, principalmente porque vemos muita coisa a ser cancelada e muitos de nós se calhar pensávamos que “este era o nosso ano!” e estamos a ver os planos que tínhamos, se calhar desde há muito tempo, a irem por água abaixo. Falei com amigos que adiaram lançamentos que eram para serem feitos agora, em Abril ou Maio. Nesse aspecto é muito chato mesmo e sem dúvida que vai haver um buraco, não só financeiro, mas se calhar também a nível de muita coisa que se construiu, de hábitos, mesmo com o público, que vai cair por terra com toda esta situação. 

Mas acho que ao mesmo tempo há aqui algumas oportunidades que podemos agarrar. Não só na criação de conteúdos digitais mas penso que também podemos ver aqui uma oportunidade de as pessoas talvez valorizarem mais a cultura. Porque fico a imaginar tanta gente em casa que se não tivesse nem música, nem livros, nem vídeos, nem filmes, nem nada, iria ser muito aborrecido! [Risos] Porque nós estamos habituados a estar sempre ocupados e quem está neste momento em casa, e que não pode trabalhar, vê-se um bocado nesse paradigma do “o que é que eu faço agora?”. Ok, posso fazer exercício, mas não vou fazer exercício 12 horas por dia, certo? Então espero que nesta situação toda haja oportunidade para as pessoas valorizarem mais os músicos e todos os criadores de arte e cultura. Até mesmo o teatro está de certa forma a reinventar-se, acho que é o Teatro Aberto, por exemplo, que está a fazer peças online, em que os actores vão encenar na mesma algumas peças que estavam previstas estrearem agora. Por isso podem haver aqui algumas oportunidades de reinventar algumas áreas ou de arranjar formas criativas de apresentarmos o nosso trabalho. Tem havido, por exemplo, aqueles festivais quase espontâneos em que as pessoas tocam no Instagram e não vou concordar que isso é tudo muito perfeito ou muito bom — é sim pelo lado das pessoas terem algo para ver e ouvir — mas ao mesmo tempo temos que pensar na questão: “ok, estamos a tocar de borla outra vez…” [Risos] Mas no geral acho que há aqui oportunidades de reinventarmos muita coisa e de tentarmos valorizar a cultura, não pode ser tudo negativo, não é?

Sim, de facto está toda a gente a reagir e tem havido um boom de lives no Instagram e em outras plataformas. Já há até quem lance ideias de se pensar num modelo futuro para centralizar e rentabilizar tudo isto, exactamente pelo que estás a dizer. Porque no final há artistas que podem provavelmente fazer estas performances “gratuitas” mas haverão muitos outros que não, e que necessitam de compensação, sobretudo no momento actual. Não sei se também tens algumas ideias em relação a isso?

Se concordo com a rentabilização disso? 

Sim e se tens ideias para possíveis soluções?

Sim, acho que é importante. Vemos, por exemplo, tantos miúdos influencers a rentabilizar os conteúdos que põem cá para fora, porque não os músicos? Acho que nós, músicos e se calhar a indústria em geral, até agora não temos aproveitado esses canais para esse propósito também. Claro que o propósito principal é partilhar o que estamos a fazer mas tudo na vida tem um custo, e o que nós fazemos também tem um custo e um valor além do custo, portanto acho positivo rentabilizar isso. Mas também não podemos cair num modelo de ganância. Um dos projectos que neste momento acho que está a fazer algo interessante é o At Your Home, da Where the Music Meets, porque estão a fazer à mesma o streaming, mas no YouTube, com a possibilidade dos ouvintes poderem doar algo para o artista, que neste caso reverte também para uma causa que é o projecto Open Air. Parece-me um bom exemplo de uma forma de rentabilizar estes canais digitais.

Quero ser optimista e acreditar que vamos conseguir superar tudo isto ainda a tempo de fazer de 2020 um bom ano. Que planos se seguem para a apresentação do teu EP?

Há algumas coisas planeadas, sou uma das artistas pré-seleccionadas para a edição deste ano do OuTonalidades, que irá decorrer a partir de Setembro, mas neste momento ainda não temos muita coisa pensada nesse sentido e de como é que vai ser o lançamento, porque também estamos a ver como é que esta situação vai evoluir. Mas a ideia é lançar o EP em Outubro, ou meados, posso até já dizer-te o nome, vai chamar-se Cidade de Sal, muito em homenagem à minha cidade, Aveiro, que tem as salinas e em que o sal foi, durante muito tempo, a subsistência de muita gente aqui. E acho que para já é só isso que vou partilhar. Mas será um EP de cinco ou seis temas e vai ser fixe! [risos]

E já pensaste como é que vais apresentá-lo em palco, vais levar companhia ou vais estar sozinha?

Eu testei dois conceitos no ano passado, fiz alguns concertos, e em dois desses concertos actuei com um baterista, com a electrónica toda e comigo tocar guitarra eléctrica e alguns instrumentos tradicionais como o adufe, por exemplo, e nesse formato a percussão da bateria é muito forte e cria uma dimensão diferente. Depois tenho também um formato que é completamente a solo e mais intimista, que acho que vai ser aquele em que eu vou apostar, porque neste momento, para o tipo de música que estou a fazer, faz mais sentido e gostei muito da sensação de estar em palco cara a cara com as pessoas e de ser apenas eu e eles — é quase uma coisa íntima, percebes? Portanto acho que quando este EP for lançado a ideia é as actuações terem algo de novo, porque gosto também de encontrar isso quando vou ver um artista ao vivo e é um padrão e um standard que tenho também para mim: tentar dar algo de novo às pessoas, mesmo que nesta fase esteja a apresentar muita coisa pela primeira vez a muita gente. [Risos] Mas acho que ao vivo é diferente, tem de ser diferente! 

E agora uma pequena curiosidade, vi no teu Facebook que o nome mema. é algo que pode significar diferentes coisas em diferentes línguas. Queres explicar isso melhor?

[Risos] Sim, o nome mema. curiosamente surgiu em Berlim, quando me juntei ao colectivo de que te falei, porque queria quebrar com o projecto anterior e recomeçar. Na verdade mema. é a junção das primeiras sílabas dos meus apelidos e tem muito esse significado de afirmação, sou eu mesma, é a minha identidade, percebes? E foi dessa forma que surgiu. Claro que tem outros significados que vim mais tarde a descobrir, por exemplo, quando disse a uma amiga minha espanhola, que o meu nome artístico era mema., ela desatou a rir, porque pelos vistos em espanhol significa “tonta” ou “estúpida” ou algo parecido… [Risos] Mas mema. tem esse significado para mim de identidade, até pelo o facto de ter pegado num bocadinho dos meus dois apelidos, é essa a afirmação e é também a forma como eu quero transmitir a minha música — um reflexo da minha identidade.

Se calhar ainda é prematuro perguntar isto, até porque primeiro Portugal ainda precisa de te descobrir melhor mas com as tuas experiências internacionais já te imaginas também a tocar lá fora ou talvez até já tenhas tocado?

Já toquei lá fora há muitos anos, em Itália, na altura com o meu anterior projecto, num festival que um amigo estava a organizar — um festival muito pequeno de angariação de fundos. Mas sim, a minha ideia era também levar o projecto mais além, pelo menos no circuito europeu, seria algo que nos próximos dois ou três anos gostava de fazer. Porque não acredito muito nessa ideia de música com barreiras ou fronteiras, porque essa questão da língua acho que não se coloca actualmente neste prisma tão aberto em que estamos.

E se calhar até seria interessante ver como é que um público estrangeiro reage à tua música e a este toque de folclore, que por aqui uns mais que outros conhecem bem, mas lá fora pouca gente deverá conhecer.

Acho que é capaz de ser bem interessante. Por acaso muita gente de fora, dos sítios onde estive, tem-me dado feedback em relação à música e fiquei bastante surpreendida. Já me disseram: “não faço ideia do que é que estás a dizer mas gostei tanto” e sei que tenho amigos muito honestos, que se não gostam também me vão dizer. [Risos] Mas o feedback tem sido muito bom e tenho mostrado a outras pessoas que me têm dito gostar muito desta fusão e que acham interessante. E acho que da mesma forma as pessoas lá fora reagem ao fado, por exemplo, que nós até há bastante pouco tempo nem tínhamos noção que as pessoas gostavam tanto de fado fora de Portugal — quer dizer com a Amália o fado já tinha voado para outros países — mas às vezes não temos essa noção de que as pessoas recebem tão bem essas sonoridades locais e isso é bonito ver.

E só para terminarmos (e não quero que isto pareça uma pergunta meio cliché) mas tenho de te perguntar se já encontraste o teu norte?

[Risos] Eu sou uma pessoa muito complicada… [Risos] mas sim, acho que já encontrei ou pelo menos estou a caminho de lá, penso eu… sim, acho que encontrei o meu norte. Isso foi uma pergunta difícil… [risos] Mas sim, acho que o meu regresso a Portugal foi muito isso, foi esse regresso ao Norte e eu precisava mesmo de voltar. Sentia-me desconectada de tudo, mesmo de mim própria, passei por fases muito sombrias, de depressão e de ansiedade, que já tinha vivido antes mas quando estive na Irlanda passei novamente por essa fase e não foi bonito. E precisava de voltar e acho que Portugal é o meu norte, de certa forma, é onde me sinto bem. Não que me sinta mal lá fora mas há sempre qualquer coisa que me atrai novamente e há sempre qualquer coisa que me atrai de novo para a música, porque tentei quebrar com a música e não deu. Acho que o “Perdi O Norte” é mesmo o ponto de viragem para mim, quando fiz esse tema e “O Devedor”, foram mesmo os meus pontos de viragem que me fizeram dizer, “não, eu tenho de voltar a isto, tenho de tentar mais uma vez” e sim, estou pouco a pouco a encontrar o meu norte. 

Bom saber isso e bem-vinda de regresso Portugal, espero que fiques por cá!

Obrigada!


ReB Team

ReB Team

Facebook.com/rimasebatidas
Twitter: @rimasebatidas
Instagram: @rimasebatidas
SoundCloud.com/rimasebatidas
YouTube.com/c/rimasebatidas
Mixcloud.com/rimasebatidas
ReB Team