João Não: “Estou só a criar canções e a continuar a cultivar a minha identidade artística”

[TEXTO] Alexandre Ribeiro [FOTO] Sebas Ferreira 

“nossa regra (rosa negra)” marca a estreia a solo de João Não, jovem artista gondomarense que se rodeia de Sien, no instrumental, e de zé menos, na gravação, mistura e masterização, para desviar mais para norte a rota dos novos fados que Pedro Mafama e Conan Osiris cantam.

A surpreendente e magnetizante participação em “Dá-me Espaço“, canção de Maudito, introduziu-nos a voz com peso deste João, uma espécie de Camané da Geração Z que prefere os balanços libidinosos de tarraxos e funks modernos para chegar mais perto do “esfrega esfrega” — a interpretação fica ao vosso critério, mas o resultado, avisa-nos o autor, poderá envolver corações partidos.

Em conversa com o Rimas e Batidas, João Não fala-nos de conquista de identidade, da criação do seu primeiro single e da procura por “uma mensagem mais poética”.



[A apresentação]

“Tenho 20 anos e sou de Gondomar. Já há uns anos que tentei investir na música mais como rapper, mas mantive-me sempre na procura por uma identidade com a qual me sentisse mais confortável a lançar música e que pudesse realmente orgulhar-me. Sempre foi uma questão de confiança — que estou a começar a conquistar.”

[O agradecimento a todos os amigos que lá estavam quando a canção foi idealizada]

“Eu coloquei esse agradecimento porque de facto esta canção surgiu numa brincadeira entre amigos em Gondomar. Estávamos a conviver quando apareceu a ideia, e acabámos passado poucas horas em casa do Sien a criar o instrumental e eu escrevi ali a letra, num processo assim mais espontâneo. Por ter sido feita ‘a brincar’, não a levei a sério até começar a criar mais canções na mesma ‘onda’. Então agora já me senti à vontade para lançar porque sinto que já conquistei essa identidade.”

[O envolvimento de L-ALI na escolha do título]

“Isso aconteceu porque já várias pessoas tinham ouvido um certo ‘leak‘ desta faixa, então estavam mais familiarizadas com o título original (que nada tinha a ver com a canção em si.) Então andei à procura de um nome que se adequasse para a lançar, e o L-ALI falou comigo por mensagem e foi uma ajuda essencial neste processo.”

[Pedro Mafama, Conan Osiris e os “novos fados”] 

“Admito que eles são claras influências para mim primeiramente porque são artistas de quem eu gosto bastante, e logo daí já é suficiente para me inspirarem. Gosto da ideia dos ‘novos fados’ e vou investindo nesse registo principalmente porque quero ter uma mensagem mais poética. Mas vou buscar inspirações a muitos sítios, basta ser algo com o qual me identifique e já é suficiente para me ajudar a criar.”

[O processo de criação de “nossa regra (rosa negra)”]

“Esta faixa foi criada numa tarde relaxada. O Sien estava presente e estávamos a ouvir música quando eu comecei a cantar por cima e os meus amigos propuseram logo irmos criar uma faixa. Gravámos o que surgiu na altura, mas entretanto terminei de escrevê-la, o Sien refinou o instrumental e eu fui a’O Atelier do zé menos para gravar porque é um artista que eu admiro e sabia que podia confiar nele para me ajudar na gravação e pôr isto a soar tudo bem.”

[A participação em “Dá-me Espaço” e o concerto no Hard Club]

“Eu já conheço o Maudito há coisa de cinco anos porque eu era fã dele e ia acompanhando alguns concertos. Acabei por conhecê-lo pessoalmente, fomos conversando, e ele foi uma das pessoas que teve acesso a esta faixa antecipadamente, então veio logo o interesse para uma colaboração. Quanto à actuação no Hard Club, sinto que correu bem. Não tenho o hábito de estar em cima do palco, mas sinto que fui muito bem recebido e estou bastante grato pela oportunidade.”

[O presente e futuro]

“Não tenho propriamente um projecto delineado, estou só a criar canções e a continuar a cultivar a minha identidade artística. Esta faixa foi só um avanço do que tenho andado a fazer, também para saberem que estou aqui e que não estou parado.”