Explorar o universo Flower Boy com Jerrod Carmichael e Tyler, The Creator

[TEXTO] Alexandre Ribeiro [FOTO] Direitos Reservados

Tyler, The Creator nunca pareceu muito à-vontade com a posição de entrevistado — algo corroborado por um tweet publicado ontem. Em 2018, o artista norte-americano fez o que os Brockhampton, por exemplo, também ousaram fazer em 2017: escolheu o entrevistador — no caso, um amigo — e controlou a entrevista (Wolf Haley, um dos seus pseudónimos, está creditado como realizador).

Jerrod Carmichael, actor, comediante e guionista, dirigiu uma conversa animada e descontraída sobre todo o universo Flower Boy: falou-se de bridges, emoções que despoletaram certas canções ou participações que desejava e acabaram por não acontecer — Justin Bieber, Rick Ross, Playboi Carti e Nicki Minaj. O mais recente trabalho de Tyler Okonma marcou, finalmente, a sua transição para a primeira liga — a nomeação em nome próprio (Melhor Álbum Rap) para os GRAMMYs só confirmou essa passagem para a “mesa dos grandes”.

 



Max Martin, Pharrell — uma das suas grandes referências — e Justin Timberlake foram alguns dos nomes que “estudou” para chegar à sonoridade do sucessor de Cherry Bomb. E o estudo não ficou por aí. Para criar uma obra pop que chegasse às pessoas, o rapper e produtor fez algo que detesta: entrou em discotecas e analisou as reacções das pessoas às canções que o DJ tocava.

Os pormenores deliciosos do processo criativo surgem sem avisar. “A versão que saiu foi a 25ª”, revelou Tyler, The Creator sobre “911/Mr. Lonely“, faixa produzida pelo líder dos Odd Future que conta com participações de Steve Lacy, Frank Ocean e Anna of the North e coros de Jasper, Schoolboy Q e A$AP Rocky. Um trabalho de equipa para a “canção mais triste” que já escreveu.

“É tudo o que eu amo. Eu só quero acordes e melodias”. Tyler, The Creator criou um álbum mais “digerível” para o público — Cherry Bomb foi o contrário — e fê-lo através dessa “obsessão” específica. “‘Mr. Lonely’ tem alguns dos acordes mais bonitos, mas eu escondi-os atrás dos drums“, revelou.

Em cima de um loop dos acordes de “God Bless the Child“, faixa de Stevie Wonder, “Boredom“, a “Bille Jean” do artista de 26 anos — palavras de Jerrod Carmichael –, foi escrita em 10 segundos durante um sábado à tarde em que estava bastante aborrecido.

“Eu fiz a ‘Who Dat Boy’ para o Schoolboy Q”. Infelizmente para nós, o rapper da TDE não quis entrar numa canção que, ouvindo o beat, teria tudo para tirar o melhor da sua entrega característica. A$AP Rocky assumiu o verso que ficou livre e tornou a música num dos bangers de 2017. Ainda sobre o tema, Tyler revelou que o início foi inspirado numa foto de Jonas Bendiksen.

E isto é só a ponta do icebergue. A viagem pelo universo de Flower Boy, que dura perto de uma hora, dá-nos uma visão informada e aprofundada dum disco que marcou 2017. A não perder.