Drake // If You’re Reading This It’s Too Late

drake_if_you_are_reading_this_its_too_late_review

Imaginem que Bob Dylan, entre Highway 61 Revisited e Blonde on Blonde, decidia não apenas reagir à invasão britânica comandada pelos Beatles, como enviar um recado à Columbia e a John Hammond, o executivo que lhe ofereceu contrato em 1961. E imaginem que se fechava na sua casa de Greenwich Village, com um gravador Nagra à sua frente, e gravava uma série de canções-recados e lhes chamava uma mixtape: “o meu próximo álbum a sério vai chamar-se Blonde on Blonde, isto aqui são apenas umas quantas canções que precisava de meter cá fora para retirar algumas ideias do meu sistema”. Este gesto, impensável no universo rock and roll, é comum no hip hop. A mixtape não é um formato menor, mas traduz uma urgência que não parece existir noutros géneros. E ajuda ainda mais a que se confunda vida e arte e arte e vida. Caso flagrante: If You’re Reading This It’s Too Late de Drake.

Esta mixtape de Drake já tem uns meses, mas só agora aterrou aqui em casa num envelope da Amazon: mais dois temas do que a versão disponível no Spotify e uma capa com uma longa lista de agradecimentos onde não se encontra o nome de Birdman, o homem do leme da Cash Money que tem andado numa roda viva nos últimos tempos – barrado numa festa de Nicki Minaj, processado por Lil’ Wayne e alvo de algumas rimas directas de Drake:


Brand new Beretta, can’t wait to let it go
Walk up in my label like, where the check though?
Yeah, I said it, wouldn’t dap you with the left ho.


A arma a que Drake se refere é mesmo a do seu talento, mas a pergunta pelo cheque não é nenhuma metáfora, tal como a muito directa mensagem de que o respeito que perdeu por Birdman nem num cumprimento com a mão esquerda se poderia traduzir…

Pode ser uma mera mixtape, pode ter sido gerada como estratégia para se livrar de um contrato (foi simbolicamente editada no sexto aniversário de So Far Gone, o trabalho que colocou este rapper canadiano no mapa global), ter sido lançada sem aviso prévio (estratégia cada vez mais comum), mas If You’re Reading This It’s Too Late ainda é um trabalho sério, digno de figurar na poderosa discografia que Drake tem construído esta década. É verdade que ‘40‘, produtor que tem desempenhado um papel de destaque em trabalhos anteriores, está apenas marginalmente envolvido em If You’re Reading This… (assina “Madonna”, “6Man” e “Jungle”), mas PARTYNEXTDOOR e Boi-1da fazem um excelente trabalho na construção de uma espinha dorsal para este longo desabafo de Drake. E há novos talentos, também, marca normal nas mixtapes, quando se abre espaço para novos valores da MPC ou até por vezes do microfone. Neste caso contam-se nomes como Wondagurl ou SyKsense. E mesmo com a variedade de impressões digitais na MPC, a verdade é que If You’re Reading This… beneficia de uma profunda coerência sónica: beats esparsos, minimais, lentos, fundos como canyons e afiados como lâminas, traduções mais ou menos instantâneas e directas, certamente, dos sentimentos que assaltavam Drake. Não é preciso muito para imaginar a cena: a estrela de pé, no estúdio, a explicar a um dos produtores de serviço nessa noite a sua ideia: “Preciso de largar isto já, dá-me um beat gordo, sem muitas cenas em cima, quero espaço para as palavras. Mais lento, mais lento… está bom assim. Mete em loop e põe a gravar…”

E quando o botão do Rec é pressionado, cuidado, porque Drake tem fome e tem contas a ajustar: com Birdman, pois claro, mas também Tyga, por exemplo, que merece um ataque directo em “6PM in New York”:


I heard a little little homie talking reckless in Vibe
That’s quite a platform you chose, you should’ve kept it inside
Oh, you tried
It’s so childish calling my name on the world stage
You need to act your age and not your girl’s age.


Drake também reserva farpas para Diddy ou Kendrick Lamar, num trabalho que é um ajuste de contas, mas também, e talvez sobretudo, uma afirmação: da sua independência, da sua força e da sua vontade de avançar: “I’m on the Matrix and I just took de blue pill”, diz ele em “6 Man”, tema que soa como a banda sonora de uma viagem pela cidade vazia às quatro da manhã. E que tem um espantoso remate final, quando Drake pega no refrão que em tempos Erykah Badu ofereceu aos The Roots em “You Got Me” e o transforma num ponto final dramático.

Drake arruma a casa com classe e prepara o terreno para o que aí vem. “I just got to hit the road”, canta ele. Views from the 6, o álbum que Drake disse o ano passado estar pensado para ser o sucessor Nothing Was The Same poderá ainda aparecer um dia destes. Talvez sem aviso, uma vez mais. Cá estaremos para o encaixar logo que isso aconteça. É que If You’re Reading This… poderá não beneficiar do refinamento que Drake já provou ser capaz de alcançar, mas ainda assim é um trabalho musical e liricamente sólido que o afirma como habitante claro da primeira divisão.

 

Rui Miguel Abreu

Rui Miguel Abreu

Crítico musical desde 1989, Rui Miguel Abreu escreve atualmente para a Blitz e integra a equipa da Antena 3. De vez em quando também gosta de tirar o pó aos discos e mostrá-los em público.
Rui Miguel Abreu