Texto de

pub

dotorado_africa_scream_review

[TEXTO] Rui Miguel Abreu

350 mil plays no SoundCloud e a contagem ainda não terminou. Se Dotorado Pro produz assim aos 16 anos, como soará em dois ou três? A resposta à pergunta agora colocada não é, para já, importante. Porque Africa Scream traduz, como praticamente nenhum outro tema ouvido nos últimos tempos, o presente.

Este grito africano que despontou no SoundCloud e que Marfox levou até à Enchufada parece ecoar tragédias que ocorrem com o Mediterrâneo em fundo – há qualquer coisa de lamento na versão kizomba do tema agora avançado no EP que a Enchufada atira para o meio do mundo. Mas também há urgência – daquela de que se faz a vontade de mudar o mundo – na versão original, um imparável monumento de pista, capaz de inspirar até o mais relutante dos dançarinos a libertar todas as requebras que tem nos ossos e nos músculos.

Não há nada que não resulte na arquitetura particular de African Scream: a voz com o pitch puxado que lhe dá um recorte infantil, o ritmo quebrado com qualquer coisa de tribal e espacial ao mesmo tempo – como se os Masaai [tribo étnica do Quénia e Tanzânia] tivessem conseguido colocar alguém em órbita só por saltarem um pouco mais alto – a textura nobre daquela marimba irrequieta, que parece carregar o peso da tradição, mas que pode muito bem ser um preset de DX7 usado por Brian Eno, Wally Badarou ou, quem sabe, Zeca Afonso em “Galinhas do Mato“, o que vai dar ao mesmo. Só se pode comparar este Dotorado com outros doutores, daqueles que entregam teses revolucionárias ao mundo de cada vez que colocam as mãos numa mesa de mistura e pressionam os botões certos e que resultam em peças que accionam vibrações que parecem nunca antes ter feito tremer nenhum sistema de som, por mais remota que seja a estação orbital onde possa estar instalado.

African Scream é mais um brilhante exemplo de uma periferia que cada vez mais contamina, invade e transfigura o centro, o som de uma margem que se torna centro da corrente, o som de uma minoria que assume uma grandeza em que nunca anteriormente se acreditou. “African Scream” pode muito bem ser o melhor tema que ouvirão este ano. Por favor, por favor, alguém que carregue no play com o botão puxado até ao 10 quando eu estiver de frente de um par de Funktion One’s. É que, confesso, sempre sonhei viajar no espaço e esse pode ser o meu único bilhete de ida.

 


pub

Últimos da categoria: Críticas

RBTV

Últimos artigos