Clássico The Chronic escolhido pela Biblioteca do Congresso Americano para memória futura

[TEXTO] Rui Miguel Abreu [FOTO] Direitos Reservados

O álbum que Dr. Dre lançou em 1992, The Chronic, amplamente considerado como um dos maiores clássicos de sempre do hip hop, integra um novo conjunto de gravações que a Biblioteca do Congresso Americano agora distingue. Trata-se de uma das mais prestigiadas instituições culturais dos Estados Unidos, que tem, entre outros objectivos, a missão de preservar obras que sejam “cultural, histórica e esteticamente relevantes”. Ao lado do registo do ex-membro dos N.W.A. foram igualmente seleccionados para memória futura trabalhos dos Cheap Trick (Cheap Trick at Budokan), Tina Turner (Private Dancer), Dusty Springfield (Dusty in Memphis), Whitney Houston (a canção “I Will Always Love You”) e Village People (o tema “Y.M.C.A.”).

Como sinal dos tempos presentes que o planeta atravessa, a classificação destes registos clássicos foi nomeada como a Stay at Home Playlist, com a instituição a declarar, num comunicado enviado à imprensa, “o Registo Nacional de Gravações é uma playlist em desenvolvimento da paisagem sonora americana. Reflecte momentos da história capturados através das vozes e dos sons de cada tempo.”

O álbum que marcou a estreia a solo de Dr. Dre após a saída dos controversos N.W.A., que na altura chegaram a ser descritos pela imprensa de sectores mais conservadores como “o grupo mais perigoso do mundo”, incluía clássicos como “Let Me Ride” ou “Nothin’ But a G Thang” e contava com a colaboração de aliados próximos como Snoop Dogg ou The D.O.C.. The Chronic vendeu mais de seis milhões de cópias e chegou ao terceiro lugar do Top de Vendas Billboard 200.

Podem encontrar a lista completa das obras incluídas pelo Registo Nacional de Gravações da Biblioteca do Congresso Americano aqui.


Rui Miguel Abreu

Rui Miguel Abreu

Crítico musical desde 1989, Rui Miguel Abreu escreve atualmente para a Blitz e integra a equipa da Antena 3. De vez em quando também gosta de tirar o pó aos discos e mostrá-los em público.
Rui Miguel Abreu