Aori, BK, Filipe Ret e Marcelo D2: o hip hop brasileiro está na guerra pela democracia

[TEXTO] Núria R. Pinto [FOTO] Direitos Reservados

O Brasil está a ferro e fogo por estes dias e, convenhamos, não é para menos. Explicar o cenário político que polariza o país parece já desnecessário e, naturalmente, a frustração com a perspectiva de se eleger um presidente que esquarteja qualquer ideia de democracia também se tem feito sentir no mundo do hip hop.

Emicida, Diomedes Chinaski e Criolo já se tinham posicionado através das suas canções em época pré-eleitoral mas, e após um primeiro turno que deu a vitória ao candidato do PSL, o carioca e veterano Aori lançou o repto aos parceiros de luta para que a guerra anti-fascista se continuasse a travar pelas palavras. Através de um tweet na tarde de 8 de Outubro, convocou directamente Marcelo D2, BK e Filipe Ret para fazer “algo contra esse fascista racista”. A resposta não tardou e tanto D2 como Abebe Bikila e Filipe Ret responderam positivamente.

Outros nomes como Djonga, Febem ou Rodrigo Ogi foram também sugeridos pelos fãs mas, até à data, não é certo se algo irá efectivamente materializar-se ou estender-se a outros artistas do hip hop brasileiro. Porém, Aori agradeceu e pediu que se aguardassem novidades. Na tarde de hoje, o MC partilhou a notícia do portal brasileiro RAP+ que dava conta da possível união dos rappers em torno de uma faixa anti-Bolsonaro. Boas notícias, portanto.

 


Núria Rito Pinto

Núria Rito Pinto

Hip hop, r&b e brasilidades com tanta moderação quanto vontade. Fundou o clube de fãs da “Corda” do Boss AC, já comprou CDs pela capa e preferia comer douradinhos frios todos os dias do que ficar sem Spotify.
Núria Rito Pinto