Additive Noise Function reúne clássicos da electrónica em triplo vinil

[TEXTO] Rui Miguel Abreu [FOTOS] Direitos Reservados

Na próxima sexta-feira, dia 29 de Março, é lançado o triplo vinil Additive Noise Function pela britânica Cherry Red. A compilação, que tem por subtítulo Formative UK, European and American Electronica 1978-84, surge, de acordo com a editora, para responder a uma série de pedidos de compradores das compilações que resumiram em caixas de 4 CDs as cenas electrónicas pioneiras do Reino Unido (Close To The Noise Floor”), Europa (Noise Reduction System) e América do Norte (Third Noise Principle) que pretendiam ter esta música igualmente disponível em vinil.

A Cherry Red resolveu essa procura com um triplo álbum que resume os pontos altos dessa viagem antológica de 12 CDs, com cada um dos LPs a reflectir um dos volumes da aclamada série de compilações. Com nomes como O Yuki Conjugate, Thomas Leer, Portion Control, DAF, Front 242, E.M.A.K., K. Leimer, Richard Bone ou os Residents, este triplo vinil consegue, de facto, resumir da melhor forma o gigantesco trabalho que foi necessário para montar as três compilações anteriormente lançadas.



Por aqui passa alguma da mais visionária electrónica que, entre meados dos anos 70 e finais da década seguinte, alinhou o lado mais alternativo da música do século passado com uma ideia de futuro alimentada por uma relação muito própria com a então nascente tecnologia electrónica. Gravadores de fita, caixas de ritmo primitivas ou sintetizadores foram usados em projectos que investigavam as margens da pop, que adoptavam uma atitude decididamente experimental e exploratória e que no processo criaram música que se revelou profundamente influente para as gerações vindouras. O que ajuda, obviamente, a explicar a procura crescente e a verdadeira indústria de (re)descoberta do passado que sustenta as inúmeras editoras que vão despejando incontáveis reedições desta área no mercado internacional.

O alinhamento de Additive Noise Function:

Lado 1
1. THE SINGLE OFF THE ALBUM – Five Times Of Dust
2. SEDATION – O Yuki Conjugate
3. FAITH – Nagamatzu
4. BACK TO THE BEGINNING – Spoon Fazer
5. WESTERN VEIN – Konstruktivist

Lado 2
1. TIGHT AS A DRUM – Thomas Leer
2. GOD WITH US – Bourbonese Qualk
3. GO FOR THE THROAT – Portion Control
4. GOD SPEED – The Legendary Pink Dots
5. DYING INSIDE – Renaldo And The Loaf

Lado 3
1. PARTY TALK – André De Koning
2. ICH WILL – D.A.F.
3. IMPERSONATOR – Carlos Person
4. SON – Minny Pops
5. PRINCIPLES – Front 242
6. OHNNE TITEL – E.M.A.K.

Lado 4
1. BIOMUTANTEN – Les Vampyrettes
2. HYMNE AU VER – BeNe GeSSeRiT
3. TROGLODYTEN – Asmus Tietchens
4. MORE FUN WITH KORG – Plus Instruments
5. LUX – Schaltkreis Wassermann

Lado 5
1. PUSH ME, PULL YOU (PT 2) – Futurisk
2. CREATORS – Data-Bank-A
3. ARCHIE’S DUB – K. Leimer
4. CURRENT SLAUGHTER – Rhythm And Noise
5. LOWDOWN – Galen Herod
6. BE GOOD – Blackhouse

Lado 6
1. MAMBOPOLIS – Richard Bone
2. 99 SPACE MUSIC – The Residents
3. OLEO STRUT – Marc Barreca
4. NITE AND DAY (HOMAGE À COLE PORTER) – Tuxedo Moon
5. SIMULATION-STIMULATION (EDIT) – Hunting Lodge


Rui Miguel Abreu

Rui Miguel Abreu

Crítico musical desde 1989, Rui Miguel Abreu escreve atualmente para a Blitz e integra a equipa da Antena 3. De vez em quando também gosta de tirar o pó aos discos e mostrá-los em público.
Rui Miguel Abreu