DANNY BROWN // Atrocity Exhibition

danny brown crítica

 

[TEXTO] Alexandre Ribeiro

Já ouviram falar de “Atrocity Exhibition”, primeira faixa de Closer dos Joy Division? Resumindo, nas palavras de Danny Brown à Rolling Stone: “That song, [Ian Curtis is] pretty much talking about how he feels like he’s part of a freak show almost. People just wanna come see him and they just wanna see him be a certain type of way. I totally relate to that”.  Atente-se à faixa de entrada “Downard Spiral”, uma espécie de canção dos Joy Division com Danny Brown em vez de Ian Curtis numa Detroit diferente de Manchester. É difícil parar e não ouvir o novo álbum – que “rouba” o nome da canção da banda de Manchester que, por sua vez, já citava o título de uma novela de J.G. Ballard – de Danny Brown, o melhor trabalho, até agora, do MC de Detroit.

E que tal começar por aquilo que não sabem? “Tell Me What I Don’t Know” é uma rara performance relaxada no reportório de Danny. A forma como entrega as rimas nesta faixa é muito relacionável com a do mestre nova-iorquino Ka, algo bastante raro de assistir no hiper-activo autor de Old ou XXX. Surpreendente, mas só para quem não se apercebe que Brown é uma espécie de experimentalista a trabalhar em todos os ambientes possíveis e a aproveitar todo o tipo de estímulos para a criatividade.

Menos rápido e mais ponderado. A coesão do álbum a nível temático e sonoro é impressionante. Uma espécie de obra pós-Yeezus – “Pneumonia” poderia estar no álbum de Yeezy – a mostrar que a Warp Records – editora de ilustres como Aphex Twin, Boards of Canada, entre outros – é o paraíso para a insanidade lírica e profética do hip hop messiânico propagado por Kanye West na sua obra seminal. Paul White é o principal produtor – é membro honorário nos álbuns de Danny Brown –, estando presente na produção de 10 das 15 faixas deste registo, mas nomes como Evian Christ, Black Milk ou The Alchemist também são importantes para a qualidade diferenciadora de Atrocity Exhibition.

Paramos em Black Milk, conterrâneo de Detroit, para falar do posse cut e, provavelmente, a faixa do ano no que toca ao rap internacional. “Really Doe” junta Brown, Ab-Soul, Kendrick Lamar e Earl Sweatshirt: uma autêntica dream team. O rapper de Detroit é quem brilha mais alto numa faixa com a entrega habitual de K-Dot a estilhaçar métricas e a dar-nos knowledge que chegue para uma nova geração de MCs, Soulo a cumprir sem desiludir e um ex-Odd Future a soar cada vez mais idiossincrático (sim, é um elogio). Quatro rappers escolhidos a dedo a mostrar que o hip hop está bem entregue.

 


“I’m like Spielberg/ With ill words and hoes on that curb/ Gotta screw loose / I’m cuckoo/ Mentally disturbed /But still smart enough”


Um dos pontos fortes neste álbum é o quão uniforme soa. O grupo de quatro faixas composto por “Lost”, “Ain’t it Funny”, “Golddust” e “White Lines” é um incrível carrossel sem travões: a primeira é guiada por um loop viciante de “Flame of Love” de Lena Lim num beat produzido por Playa Haze e referências a Steven Spielberg ou Stanley Kubrick, dois dos maiores cineastas de sempre; a transição de “Lost” para “Ain’t it Funny” é inesperada e a sexta faixa do álbum é a mais ilustrativa da mensagem que Danny Brown quer passar sobre ser um freak show humano numa produção apocalíptica de Paul White; a sétima faixa é puro rock’n’roll com uma mistura perfeita de bassline descontrolada auxiliada por guitarras e drums desorientadas que, tudo sobreposto, causa a cacofonia perfeita; por último e a fechar este quarteto fantástico, “White Lines” é uma produção de The Alchemist abrilhantada pelos sintetizadores e o flow narcotizante de Brown.

E se um álbum do MC de Detroit já costuma valer a pena só pela “personagem”, o que dizer quando ele aponta Bjork, Raekwon, System of a Down, Talking Heads e Joy Division como pontos cardeais das inspirações para o álbum? É mais fácil identificar neste complexo puzzle o “som” de alguns artistas do que o de outros: a estrutura pop com instrumentação menos ortodoxa em “From The Ground” com a voz etérea de Kelela pode-se relacionar com a cantora/produtora islandesa; por outro lado, o pulsar sinuoso do baixo em canções como “Dance in the Water” ou “Golddust” poderia pertencer a Peter Hook ou até Tina Weymouth. Existe uma relação entre as peças desconexas que parecem co-existir na perfeição no universo paranóico de Brown e que o torna uma peça única no xadrez hip hop.

São 46 minutos de vaivém entre a loucura silenciosa e barulhenta ao mesmo tempo a premiar um dos MC mais versados e criativos do panorama actual e, para confirmar mais à frente na história, um marco na cultura, podendo vir a juntar-se a outros nomes oriundos da Motor Town como Eminem ou J Dilla. Atrocity Exhition é o novo “espectáculo” de variedades a mostrar que Danny Brown não é apenas um freak: é um dos artistas contemporâneos mais fascinantes a surgir da bolha hip hop. Não precisam de acreditar no que aqui se escreve: basta-vos ouvir esta exposição de atrocidades…