Mark de Clive-Lowe homenageia origens japonesas em novo álbum

[TEXTO] Rui Miguel Abreu [FOTO] Direitos Reservados

O pianista Mark de Clive-Lowe — neozelandês com ascendência em parte japonesa, mas que agora está baseado em Los Angeles — prepara-se para lançar o ambicioso sucessor de Church, trabalho de 2014. Heritage é a primeira parte de uma nova série de dois álbuns com que pretende reflectir sobre o lado japonês da sua herança, pessoal e cultural.

Para tanto, de Clive-Lowe reuniu uma banda de verdadeiros pesos-pesados que reflecte também a sua experiência de vida em Los Angeles, facto que aliás já havia marcado o seu trabalho anterior: o saxofonista alto e flautista  Josh Johnson (cujo currículo inclui trabalho ao lado de artistas como Leon Bridges ou Esperanza Spalding), o saxofonista tenor Teodross Avery (Talib Kweli/Mos Def), Brandon Eugene Owens (Terrace Martin/Robert Glasper), Brandon Combs (Moses Sumney/Iman Omari) and Carlos Niño (Build An Ark/Lifeforce Trio).

 



De acordo com a comunicação do artista, este novo álbum inspira-se em histórias de infância, na mitologia japonesa e nas suas próprias vivências no país. Mark de Clive-Lowe assina quase todas as composições, excepto duas peças tradicionais do Japão — uma em cada álbum — com que traduz a sua espiritual e real ligação a essa cultura. A primeira versão é para “Akatombo”, tema presente no alinhamento de Heritage que se assume aqui como uma delicada peça executada solitariamente ao piano. Juntas, as peças e os títulos dos dois álbuns pretendem formar uma narrativa.

O material para este duplo “painel” foi gravado ao longo de três noites no Blue Whale Jazz Club de Los Angeles, situado no bairro de Little Tokyo, a que se seguiu um dia em estúdio em que o líder acrescentou uma camada de electrónica à música captada ao vivo.

O novo álbum sairá no próximo dia 8 de Fevereiro e o pianista já revelou um dos temas do alinhamento, “Memories of Nanzenji” que se pode ouvir aqui mesmo.

 


Rui Miguel Abreu

Rui Miguel Abreu

Crítico musical desde 1989, Rui Miguel Abreu escreve atualmente para a Blitz e integra a equipa da Antena 3. De vez em quando também gosta de tirar o pó aos discos e mostrá-los em público.
Rui Miguel Abreu