Kanye West // Graduation

kanye-west-review

[TEXTO] Rui Miguel Abreu

Kanye fez um pendente com a cara de Cristo e vendeu-o em massa para mais tarde criticar o comércio de diamantes.

Kanye produziu Common em Be cuja contracapa exibe uma foto de Malcolm X e agora canta brilhantemente “Buy any jeans necessary”.

Kanye trouxe de volta a soul e os seus gloriosos arranjos de cordas e agora cobre todo o seu novo álbum com um manto electrónico de sintetizadores.

Kanye passa a vida a reclamar atenção e depois soa como um miúdo envergonhado pelos olhares. Não é fácil perceber este homem, carregado de contradições como qualquer um de nós.

Mas Graduation não alimenta nenhumas dúvidas: é profundo e até desencantado (“Drunk and Hot Girls”, “Homecoming”), é certeiro na escolha de convidados (Dwele, Mos Def, T Pain…) e singular na sua abordagem pop (“Can’t Tell Me Nothing”). E isso faz toda a diferença.

 


//

Texto originalmente publicado na Blitz, em 2007. 

Rui Miguel Abreu

Rui Miguel Abreu

Crítico musical desde 1989, Rui Miguel Abreu escreve atualmente para a Blitz e integra a equipa da Antena 3. De vez em quando também gosta de tirar o pó aos discos e mostrá-los em público.
Rui Miguel Abreu