A$AP Rocky no NOS Primavera Sound: louco (q.b.) pela noite

[TEXTO] Alexandre Ribeiro [FOTO] Pedro Mkk

A$AP Rocky juntou-se a Tyler, The Creator (actuou anteontem) e Vince Staples (que concerto!) na lista de estreias em território nacional. Com uma cabeça gigante instalada no meio do palco — que remetia para o imaginário gráfico de TESTING —, uma tela com vídeos que, a certa altura, apresentava estranhas formas geométricas, por exemplo, ou a presença invisível de um hype man e de um DJ, o rapper norte-americano não comprometeu, mas também não deslumbrou.

O espectáculo começou com três faixas (“Distorted Records”, “A$AP Forever” e “Kids Turned Out Fine”) do novo disco. A interpretação de “L$D”, uma das grandes músicas do currículo do MC da A$AP Mob, foi um dos momentos mais singelos da noite. AT.LONG.LAST.A$AP, o seu segundo álbum de originais, só teve direito a mais uma canção no alinhamento: “Everyday”.

Bastante interactivo com o público, Rocky é um sedutor que não pára de namoriscar entre temas. Não é de admirar que tenham atirado dois sutiãs para cima do palco. O entusiasmo pela sua vinda a Portugal traduziu-se numa festa de arromba com direito a moshs gigantes que terão dado belíssimas imagens captadas pelo drone que sobrevoava aquela zona.

Os bangers “Telephone Calls” e “Yamborghini High”, do álbum de estreia do colectivo de Nova Iorque, não ficaram esquecidos e fizeram parte da lista de “bombas” que explodiram nas mãos de todos aqueles que marcaram presença no seu concerto. Porém, as faixas mais celebradas foram “Fuckin’ Problemas” e “Wild for Night”, dois dos maiores hits da sua carreira.

Uma recepção de luxo por parte de um público que está sedento de concertos de hip hop. As conclusões estão tiradas deste lado: o hip hop é quem manda — mesmo que Rocky utilize uma t-shirt de Def Leppard. Só não vê quem não quer…