Colheita vintage nos primeiros 5 meses do ano: 8 grandes álbuns de hip hop nacional

[TEXTO] Alexandre Ribeiro [ILUSTRAÇÕES] Carlos Quitério

 

A prosperidade do hip hop tem atingido níveis incríveis e demonstrado que o género nascido no Bronx está perto de retirar do trono o rock como música incendiária e capaz de mudar mentalidades – nomes como Kendrick Lamar, Kanye West, Drake ou J.Cole vão-se destacando acima dos outros todos. Portugal também vai tentando acompanhar o que se vai passando lá fora e 2016 tem sido mais um ano em que sentimos que a evolução que se tem manifestado nos últimos tempos – mais concertos, mais álbuns e mais qualidade – está no caminho certo.

As duas maiores cidades do país têm sido os principais focos de criatividade e entre as escolhas que aqui se apontam numa espécie de balanço destes primeiros 5 meses do ano podemos encontrar nomes com passado relevante – Keso, Maze e SP Deville – ou talentos à procura do seu espaço num ambiente com concorrência apertada – Mike El Nite e ProfJam. A avalanche discográfica de qualidade promete não parar na segunda metade do ano e álbuns de Fuse, Slow J, Mundo Segundo & Sam the Kid ou Holly Hood são garantias suficientes para entusiasmar qualquer amante desta arte.

 


[SP DEVILLE] Sou Quem Sou

O primeiro álbum desta lista foi lançado no fim de 2015, mas só começou a ser assimilado da melhor forma no início de 2016. SP Deville, que esteve presente no último Festival Rimas e Batidas, criou uma obra clássica em nome próprio e trouxe algo de novo ao hip hop português, conjugando as batidas carregadas de graves com temáticas sempre a pender para o lado negro da força.

Músico da cabeça aos pés, Pedro Sousa é a solo um dos nomes a guardar para o futuro que se desenha à nossa frente. SP não é um novato: o seu nome no universo musical português tornou-se comum com grupos como SP & Wilson e Makongo ou em colaborações com Sam the Kid, Nerve, NelAssassin ou DJ Cruzfader. A cantar ou a rimar, SP Deville é quebra-cabeças para as senhoras e para as mentes menos fortes, sendo comum ouvi-lo falar sobre temáticas como álcool, drogas e mulheres no ambiente paranóico que se ouve em Sou Quem Sou. Apesar de estar a criar uma nova base de fãs com a carreira a solo, é um dos nomes que terá mais facilidade em furar as barreiras do mainstream devido aos seus refrões orelhudos.

Na crítica ao álbum por aqui anteriormente publicada: “Este tipo de polivalência faz com que SP consiga criar hits em catadupa, algo só ao alcance, no panorama actual, de Regula.”

sp_deville


 

[DB] 4400 OG 

“Donuts sobre Gaia”, dizia dB ao Rimas e Batidas uns meses antes de lançar o projecto. E nem se pense por um segundo que equiparar a sua obra a um dos trabalhos máximos do hip hop instrumental é blasfémia. O hip hop português não tinha uma obra com tanta vida lá dentro desde Beats Vol.1 de Sam the Kid e este é um marco na construção do imaginário diversificado do rap portuense.

O produtor de Vila Nova de Gaia atingiu o seu pico de reconhecimento para um público mais mainstream com o instrumental de “Cara de Chewbacca”, single lançado a meias com PZ. David Besteiro tem sido um dos principais activistas da criação de um hip hop alternativo com foco no psicadelismo e os “seus” Corona na Casa têm vindo a criar um caminho paralelo, personalizado, que raramente toca no que de mais comum se faz por cá. 4400 OG é investigação pessoal, reportagem em primeira mão traduzida em instrumentais refinados na melhor linhagem boom bap. Um exercício de virtuosismo na máquina e pesquisa constante pelo pedaço de som perfeito. A MPC como caderno em branco onde se escreve um novo capítulo na história do hip hop português.

O que Rui Miguel Abreu já tinha referenciado numa das suas investidas pelo universo das edições em cassete: “E faz todo o sentido do universo, mesmo daquele onde buracos negros colidem e criam ondas gravitacionais que fazem o fantasma de Einstein sorrir lá na quinta dimensão, incluir aqui este trabalho, nesta edição especial de 5K7s dominada pelo espírito de J Dilla. É o próprio dB que reclama a comparação quando afirma, no texto com que apresenta este seu novo trabalho, que “4400 OG está para Gaia como Donuts está para Detroit”. Ora, o trabalho cubista de Jay Dilla no seu fantástico ópus referido aqui em cima é de facto bússola para dB que pinta aqui um nocturno e obtuso retrato de Gaia através do sampling de algumas das suas mais peculiares características, usando os sons como quem usa cores para pintar uma paisagem”.

dB


 

[BLASPH E BEWARE JACK] OPROCESSO 

Não se trata de DOOMSTARKS – projecto de colaboração entre DOOM e Ghostface Killah -, mas é um brilhante filme de crime escrito a três mãos: Blasph, Beware Jack e Kilú – o produtor. “Johnny Crime”, “Jorge Palma” ou “Eu e Tu (yeah)” cheiram a clássicos e não é todos os dias que encontramos com tanta facilidade tantas faixas que julgamos merecer esse estatuto.

Na crítica ao álbum, escrita por Francisco Noronha, pode-se ler: “Se BWJ e Blasph não são os dois rappers que mais imediatamente nos lembraríamos de juntar para gravar um álbum, o certo é que, nas suas colaborações anteriores (“Modelo Pirata”, “Nuvens Cinzentas”, “Queimar o Sangue”), o resultado foi sempre extremamente positivo, nunca soando estranho ou demasiado contrastante o cruzamento do estilo mais raw (muita punchline) de Blasph com o tratamento tradicionalmente mais cool e poético que BWJ imprime às suas canções (BWJ disse já ao ReB que não é apenas “papel, rima e flow”  e isso é algo que sentimos desde a primeira vez que o ouvimos, embora nem mesmo o seu último e muito meritório projecto orgânico com os Bling Projekt, A Memória de Futuro, 2014, nos tenha feito sentir que ele já chegou onde pode realmente chegar). Recuperando o título do álbum, podemos olhar para este projecto-ponte entre dois rappers distintos exactamente como isso: um “processo” de aproximação, uma experiência musical que se vai fazendo, livre e espontânea ao longo de treze faixas.”

É fácil perceber o porquê deste ser um álbum importante para 2016: Blasph é dono de um dos mais flows originais do hip hop português e Beware Jack é poeta dedicado às rimas. Juntos são duo mortífero a matar instrumentais concepcionados pela mente de Kilú, um dos incontornáveis da história do rap nacional. A Margem Sul está pronta para mandar no mundo.

 o_processo


 

[MIKE EL NITE] O Justiceiro 

A ideia de justiça é intrigante: a nossa visão dos acontecimentos é sempre influenciada pela educação, experiências pessoais e outras tantas coisas que nos tornam seres únicos. Mike El Nite é herói sem máscara, mas carregado de metáforas, trocadilhos e referências que vão dos jogos de consola à intervenção mais política. Não se espera dele que salve Portugal, mas existem n’O Justiceiro ideias mais que suficiente para acreditarmos que também não o vai tornar pior – e isso já é meio caminho andado num mundo onde dizer a verdade é coisa rara.

Quando lançou Rusga Para Concerto Em G Menor causou ondas através de “Mambo nº1”, mas ninguém esperaria que Miguel Caixeiro fosse entrar a pés juntos no seu primeiro longa duração com tanta variedade e criatividade – tanto nos flows como nos instrumentais, neste último com o auxílio precioso de Dwarf. Se existiam dúvidas sobre o que Mike podia dar ao hip hop nacional, O Justiceiro acabou de retirá-las e deu-nos uma chapada de luva branca com um trabalho que serve como pilar para os que virão a seguir.

Mike El Nite em entrevista ao Rimas e Batidas a propósito do seu álbum, O Justiceiro: “Quis mesmo integrar samples portugueses no trap. Por que é que há-de ser só boom bap com as guitarras e o fado? Os bombos são dos Tocá Rufar e o instrumental original do “Horizontes da Memória” veio do Method Madness, um produtor do bairro da Boavista. Pedi-lhe o beat, disse que o queria no meu disco, mas ele não encontrou o projecto. Tive que reconstruir tudo e pedi ao Dwarf: “quero trap com este sample”. O genérico tem um ambiente brutal de cloud rap!”

mike_el_nite


 

[PRO’SEEDS] Soft Power Sagrado

Uma das surpresas agradáveis no que toca a novos grupos. Serial – Mind da Gap -, DJ Score – Gatos do Beko – e Berna juntaram-se para criar Soft Power Sagrado, álbum onde podemos ouvir “rimas enérgicas sobre malhas com uma harmoniosa junção de samples clássicos de bombo e tarola ao espírito electrónico conferido pelas máquinas do veterano produtor dos Mind Da Gap”, descrito desta forma por Bruno Martins no texto sobre a prestação na última noite do Festival Rimas e Batidas.

Se ao vivo resulta, em disco é obra coesa com gincana na batida e relatos vívidos pela voz de Berna. O MC é certeiro nas palavras e traz um storytelling digno daquilo que se tem feito de melhor pelo Porto com destaque para faixas como “Quim” ou “Grunf”. Um colectivo nascido da proximidade geográfica acaba por dar à luz um trabalho que cria estranha proximidade emocional.

Berna, ao Rimas e Batidas, a explicar os Pro’Seeds: ““Muito naturalmente, o convívio e o fascínio pela música acabou por originar algo mais concreto, mas, basicamente, foi a partilha de valores e ideias comuns entre todos que nos uniu”.

pro_seeds


 

[PROFJAM] Mixtakes 

Existe toda uma nova geração americana de hip hop a invocar o stream of consciousness e a procura por algo que vá para lá do palpável – o espiritual, mais concretamente. Kendrick Lamar é um exemplo claro, mas nomes como Joey Bada$$ ou os The Underachievers também têm agrupado fãs à volta deste estilo que apela mais à alma do que ao corpo. ProfJam encaixa-se nesse movimento  – que em Portugal tem nos Dealema o seu maior expoente – e traz novas abordagens à parte rítmica da palavra em Mixtakes. O seu estilo modificou-se desde The Big Banger Theory, existindo agora um rapper pacífico em vez do artista em esteróides que sobressaía em TBBT.

Um dos mais promissores MCs da nova escola, Mário Cotrim vai confirmando o que tanto prometeu e a estadia em Londres parece ter-lhe dado novas ferramentas para chegar mais perto do som que quer. A ASTROrecords foi a sua primeira casa, mas agora decidiu criar o seu próprio selo. Até onde pode ir ProfJam?

Em antecipação de um concerto no próximo dia 10 de Junho no Teatro da Comuna falamos brevemente com ProfJam sobre o seu mais recente trabalho: “Mixtakes é um trocadilho entre mixtake, mistakes e mixed takes, uma espécie de trindade. A tape aborda a escuridão e a luz, o yin e o yang, a dualidade do ser. É em si mesma uma viagem sonora e poética de que eu me orgulho muito de ter criado”.

 prof_jam


 

[KESO] KSX16 

Mais um regresso de um dos nomes mais importantes do hip hop português. Se existem nomes que têm às suas costas a responsabilidade de serem os porta-estandartes – Nerve, Sam the Kid, Valete, Dealema ou Allen Halloween têm algo a dizer aqui -, Keso vem provar com KSX16 que não está para brincadeiras e entrega-nos mais uma obra única.

Francisco Noronha escreveuuma muito elogiosa crítica ao álbum: “Raios Te Partam (2003), O Revólver Entre as Flores (2012), KSX2016 (2016). Três álbuns, três clássicos oferecidos ao hip hop português de um homem que, ora em tom mais azedo, zombeteiro ou sarcástico, ora poético e sensível, convoca em si figuras artísticas tão próximas e tão distantes como Almada Negreiros, Luiz Pacheco, João César Monteiro ou José Saramago, com a particularidade de, ao contrário do que por vezes acontece com personalidades “endiabradas” e desalinhadas, nunca cair em niilismos gratuitos de espécie alguma, antes dizendo sempre exactamente o que pensa. Até à data, este é, a anos luz da concorrência, o disco de hip hop português de 2016.” Sem mais nada a acrescentar, bem-vindo de volta, Keso!

keso


 

 [MAZE] Maze 

Um dos MCs mais importantes da história do hip hop português nunca tinha lançado um álbum a solo. Incrível? Talvez, mas a espera valeu a pena e Maze emancipou-se dos Dealema para trazer um álbum homónimo repleto de faixas que nos dão uma certeza: todos os membros do colectivo dealemático conseguem grandes faixas a solo.

Maze é um dos veteranos a quem se reconhece gosto requintado e lírica complexa, sendo sempre obrigatório parar para ouvir quando existe um longa-duração para estudar do MC nortenho. Batidas de velhos conhecidos como Sam the Kid, Ace e Mundo Segundo ou de novas caras como Raez ou SaiR metem a cabeça a abanar ainda antes de ouvirmos vozes em Maze numa ligação clara entre o passado e um presente que nunca deixou de ser boom bap.  É desta forma que encerramos a lista e uma das melhores primeiras-metades que testemunhámos no hip hop nacional.

Na notícia com que avançou aqui no Rimas e Batidas a estreia a solo de Maze incluímos algumas reveladoras declarações do MC: “A linha de pensamento é a que me caracteriza e acompanha desde que comecei a fazer música com os meus companheiros de Dealema: são os meus habituais poemas de confiança, são relatos reais e auto-biográficos, são mensagens para tocar no coração e pôr os cérebros a funcionar.O disco esteve para se chamar Entranhas, e toda a parte visual tenta retratar essa viagem ao meu interior e ao íntimo de quem o ouve, são as minhas vísceras expostas em rimas, as minhas motivações, a cidade onde nasci, mas a transformação, a educação e formação integral do indivíduo é sem dúvida a linha de pensamento e a palavra ‘vida’ é o fio condutor deste disco”.

Quem fala assim…

maze

ReB Team

ReB Team

Facebook.com/rimasebatidas
Twitter: @rimasebatidas
Instagram: @rimasebatidas
SoundCloud.com/rimasebatidas
YouTube.com/c/rimasebatidas
Mixcloud.com/rimasebatidas
ReB Team